Bem Vindos !

Quando era criança, na minha aldeia, ouvia com frequência a expressão dos mais simples objectivos das pessoas «haja pão e coza o forno». Realmente, havendo «saúde e alimentação», tudo acaba por ser resolvido. Decidi, por isso, guardar neste espaço, tudo o que estiver guardado nos blogs a que tenho acesso e o que venha a obter sobre este tema, com a convicção de que a saúde depende muito da alimentação e do estado de espírito. (A.João Soares)

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Água. Cuidados a ter

Há dois anos, num jantar de familiares e amigos, uma senhora falou do sobrinho médico que estava na América a trabalhar durante uns largos meses e decidiu vir passar férias a Portugal acompanhado pela namorada, também médica no mesmo curso de especialização. Na viagem passaram pela Tailândia onde se sentiram mal dos intestinos, apesar de terem muito cuidado e de consumirem apenas água engarrafada. Uma farmacêutica presente lembrou que esses cuidados não eram suficientes, e que a disenteria poderia ter sido causada pelo gelo utilizado no wisky, por ter sido feito com água suspeita. Os cuidados devem ser completos, nomeadamente em países com costumes mais permissivos!

Agora recebi por e-mail do amigo António Delgado este documento que se segue. No nosso País, a água do cano recebe sucessivos tratamentos e merece confiança, embora quando se muda de área, convenha estar preparado para evitar os inconvenientes de mudança de tipo de água e de tratamentos. Nesse caso há quem advogue o uso de água engarrafada.

2 comentários:

ANTONIO DELGADO disse...

Olá viva Amigo A. João Soares,
Há muito penso da forma como expôs a sua introdução nesta postagem. E, também, como a apresentação demonstra os problemas associados ao engarrafamento da agua. Tenho consciência, apesar de não ser entendido no assunto, que em Portugal, a água canalizada, é , de forma geral, boa para a saúde. Não somos neste âmbito assim tão maus como de forma geral por vezes pintamos , e eu, também carrego na paleta. No que respeita à água engarrafada, lembro-me do meu avó dizer, que as pessoas a tomavam pelo simples facto de se “quererem distinguir”. Ouvi isto da sua boca há quarenta anos e nunca mais me saiu da ideia. Hoje, e como demonstra o documento, o capricho da água engarrafa, como prefiro chamar a este fenómeno, atinge a nível planetário, proporções económicas e ambientais gravíssimas que urge denunciar.
Um abraço
António Delgado

Ps. Vou likar no meu blo este seu blog que desconhecia

A. João Soares disse...

Caro António Delgado,

Seria bom que as pessoas se informassem e agissem racionalmente, tanto neste como em outros assuntos. Mas, infelizmente, a maior parte das pessoas deixa-se arrastar por publicidade, slogans, snobismo e a imitação dos outros.
Um abraço
João Soares