sexta-feira, 27 de julho de 2018

HABILIDADES PARA TER SAÚDE E SUCESSO

Cinco factores determinantes para ter saúde e sucesso (segundo a ciência) https://www.noticiasaominuto.com/lifestyle/1055953/cinco-fatores-determinantes-para-ter-saude-e-sucesso- 180727Por Liliana Lopes Monteiro

Afinal, qual é o segredo para uma vida plena e bem sucedida?

De acordo com os resultados de uma pesquisa científica britânica, publicados na revista científica PNAS, e partilhados pela BBC, a chave para o sucesso não reside sobretudo em aspectos como a educação, dinheiro ou inteligência, mas, sim, em certas 'habilidades para a vida' como o optimismo ou a persistência.

Um grupo de investigadores da University College de Londres examinou mais de oito mil homens e mulheres, de idades compreendidas entre 52 e 90 anos, o seu estilo de vida e como avaliavam as suas vidas.

O estudo concluiu que cinco capacidades específicas podem ser a chave para desfrutar melhor da vida:

- Estabilidade emocional;
- Determinação;
- Dedicação;
- Sensação de estar no controle;
- Otimismo.

Estes elementos são frequentemente chamados de habilidades ‘não cognitivas’, porque são características pessoais maleáveis, que não têm a ver com a capacidade intelectual das pessoas.

Os especialistas verificaram que uma pontuação mais alta nesses pontos estava por sua vez associada ao bem-estar social e pessoal, ao sucesso económico e à boa saúde nos adultos.

Os investigadores garantem que estimular e manter essas habilidades, não só na infância, mas também na idade adulta, pode ser crucial para uma vida e uma velhice mais plena.

De acordo com a mesma pesquisa, os indivíduos que alcançaram uma pontuação elevada em pelo menos quatro dos cinco atributos observados sofriam, em geral, de menos depressão, e tinham um círculo social mais amplo e mais dinheiro.

Por outro lado, os que pontuavam bem em apenas uma ou duas habilidades sofriam com mais solidão, maior ocorrência de depressão e maior probabilidade de desenvolver doenças crónicas.

Entre as cinco habilidades, no entanto, os académicos salientam que não há uma mais importante do que outra. E que os efeitos, na verdade, dependem da acumulação de várias capacidades.

terça-feira, 24 de julho de 2018

ALZHEIMER. EVITAR AÇÚCAR

Consumir café ou chá com açúcar mais que duplica o risco desta doença
180724. Por Liliana Lopes Monteiro

De acordo com um novo estudo, quem ingere diariamente duas colheres e meia de açúcar no café ou no chá apresenta uma probabilidade 54% maior de vir a sofrer de demência, comparativamente a quem consome essas bebidas sem qualquer adição.

Indivíduos que bebem regularmente sumos de fruta e refrigerantes também correm um risco significativamente mais elevado de virem a desenvolver aquela doença degenerativa, aponta a pesquisa inédita.

Um grupo de investigadores norte-americanos, da Universidade de Columbia, em Nova Iorque, analisou as dietas de 2,226 reformados e monitorizou esses voluntários durante cerca de sete anos.

Igualmente, colocar diariamente cerca de duas colheres e meia de açúcar nos cereais ou em bolos mostrou ter o mesmo risco de 54% de aumentar a predisposição de aparecimento de Alzheimer.

Quem consome mais de metade de uma lata de refrigerante diariamente tem também uma maior hipótese, de 47%, de vir a sofrer com aquela patologia, relativamente a quem consome menos de três latas e meia anualmente. E ingerir um ‘pequeno’ sumo por dia mostrou aumentar o risco em 27%.

A coordenadora do estudo, a professora Yian Gu, disse: “Os dados apurados sugerem que as bebidas com açúcar e outras com açúcar adicionado, assim como certos alimentos, podem aumentar o risco de Alzheimer”.

domingo, 22 de julho de 2018

CURE O CANCRO PRIVANDO-SE DE AÇÚCAR

Mate de fome o câncer eliminando apenas um só alimento
180722

O açúcar representa um grande risco para a saúde e contribui para a morte de milhões de pessoas no mundo todo a cada ano.

Tão alta é a toxicidade do açúcar que, para os pesquisadores da Universidade da Califórnia, em San Francisco, Estados Unidos, ele é uma substância potencialmente tóxica assim como o álcool e o cigarro.

Sua ligação com o aparecimento da diabetes é tão forte que deveria haver uma legislação rigorosa contra ele, como um imposto sobre todos os alimentos e bebidas que contêm esse "veneno".

Não por acaso, os pesquisadores da Universidade de Califórnia recomendam a proibição da venda de produtos com açúcar dentro ou perto de escolas, bem como a colocação de limites de idade sobre a venda de tais produtos.

Os efeitos nocivos do açúcar não param no diabetes.

O açúcar refinado está fortemente ligado ao câncer, não apenas como uma causa dele, mas também como algo que alimenta as células cancerosas quando uma pessoa tem a doença.

Pesquisadores do Huntsman Cancer Institute, em Utah, foram os primeiros a descobrir que o açúcar "alimenta" tumores.

Em um artigo publicado na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências, Don Ayer, Ph.D., professor no Departamento de Ciências Oncológicas da Universidade de Utah, disse: "É conhecido desde 1923 que células cancerosas usam muito mais glicose do que células normais. Nossa pesquisa ajuda a mostrar como esse processo ocorre e como ele pode ser interrompido para controlar o crescimento do tumor ".

Dr. Thomas Graeber, professor de farmacologia molecular e médica, investigou a forma como o metabolismo da glicose afeta os sinais bioquímicos presentes nas células cancerosas.

Na pesquisa publicada na revista Molecular Systems Biology, Graeber e seus colegas demonstraram que a fome de glicose, isto é, o ato de privar as células cancerosas de glicose, ativa um significativo circuito de amplificação metabólica que leva à morte dessas células.

A eliminação do açúcar, portanto, e de tudo que vire glicose no organismo (como pão, macarrão, arroz) poderia ser algo a ser adotado na tentativa de melhorar os resultados de tratamentos de câncer.

O aumento dos níveis de insulina é pró-inflamação e pró-câncer e pode promover a proliferação de células tumorais.

Os doutores Rainer Klement e Ulrike Kammerer realizaram uma revisão abrangente da literatura envolvendo carboidratos da dieta e seus efeitos diretos e indiretos sobre as células cancerosas, que foi publicado em outubro de 2011 na revista Nutrition and Metabolism.

Eles concluíram que as células cancerosas são tão sensíveis ao abastecimento de açúcar, que o corte da oferta dessa substância irá matar o câncer.

Por outro lado, "o aumento do fluxo de glicose promove diversas atividades no câncer, como proliferação excessiva, sinalização antiapoptótica, progressão do ciclo celular e angiogênese", concluíram os cientistas.

A doutora Christine Horner tem muito a dizer para as mulheres sobre a insulina e câncer de mama:

"Quando se trata de câncer de mama, a insulina não é amiga. Uma das principais razões é devido ao fato de tanto as células da mama normais como as cancerosas terem receptores de insulina sobre elas.

Quando a insulina se liga ao seu receptor, tem o mesmo efeito de quando o estrogênio se liga ao seu receptor: faz com que as células comecem a se dividir.

Quanto maior os níveis de insulina são, mais rápido suas células da mama vão se dividir; quanto mais rápido elas se dividirem, maior será o risco de câncer de mama é mais rápido será o desenvolvimento das células cancerosas".

A dra. Horner lembra um estudo realizado pela Harvard Medical School (2004) que constatou que as mulheres que, quando adolescentes, comeram mais alimentos com alto índice glicêmico, aumentaram seus níveis de glicose no sangue e, anos depois, apresentavam uma maior incidência de câncer de mama.

"Então, incentivar sua filha adolescente a cortar o açúcar vai ajudá-la a reduzir o risco de câncer de mama para o resto de sua vida", disse a doutora.

Em outro estudo da Universidade da Califórnia, que foi publicado na revista Cancer Research, os pesquisadores concluíram que qualquer pessoa que pretenda reduzir o risco de câncer deve começar por diminuir a quantidade de açúcar que ingere.

O dr. Anthony Heaney, principal autor do estudo, declarou: "A dieta moderna contém uma grande quantidade de açúcar refinado, incluindo frutose, que é um perigo oculto envolvido em muitas doenças modernas, tais como obesidade, diabetes e fígado gordo".

Especificamente sobre a frutose, outra ameaça, o pesquisador afirmou: "Os resultados mostraram que as células cancerosas podem facilmente metabolizar frutose, o que aumenta a proliferação delas".

O resumo de tudo é que o açúcar transforma o corpo em um terreno fértil para vírus, bactérias, fungos e câncer, devastando o sistema imunológico.

Sabendo que o câncer precisa de açúcar, faz sentido continuar comendo açúcar?

Faz sentido ter uma dieta rica em carboidratos?

O pior é que, para a maioria das pessoas com câncer em todo o mundo, não é oferecido qualquer terapia nutricional cientificamente orientada para a eliminação do açúcar, além de dizer a elas para "comer bons alimentos".

Este é um blog de notícias, não substitui o trabalho de um especialista. Consulte sempre seu médico.

UMA VERGONHA

Recebi por e-mail e transcrevo, na íntegra.

«Peço que leiam e percebam o ridículo a que este Estado chegou... É melhor criar já vistos gold para narco mexicanos...

«Se me dizem que é normal que haja uma barraquinha/um stand/um corner com funcionários do Ministério da Saúde a certificar a pureza da droga que se consome num festival de música eu não o aceito. Para mim isso não é normal. Não admito que a coca e o cavalo e o MDMA e outras merdas sejam consumidas com selo de qualidade do Estado.
Com uma espécie de garantia de origem. Ainda por cima a tal “parceria” com o Boom Festival é anunciada como “um suporte a experiências intensas”.

«Se os legisladores e governantes quiserem legalizar a produção, uso e comercialização das drogas (coisa com que eu até concordo em princípio) então que o assumam coerentemente e com seriedade. Agora colocar objetivamente o Estado a promover o consumo de droga, com o nosso dinheiro, precisamente na altura de maior míngua de recursos do SNS, contarão então com a minha feroz oposição cidadã. Há coisas muito sérias. E a toxicodependência é-o.

«Mas andar a meter o Estado em esquemas com organizações de festivais comerciais de música “e experiências intensas” que promovam uma espécie de free pass para mocas seguras e de qualidade não é ser sério. Não é governar. Não é sequer cuidar da saúde pública. É alinhar numa palhaçada.

«E muito pior: neste caso concreto é apoiar interesses inconfessáveis no âmbito de atividades que estão na fronteira da atividade criminal. Isto é, portanto objetivamente um caso de polícia: e como tal irei fazer competente participação ao Ministério Público. Sou contribuinte e utente do SNS: enquanto os velhos da aldeia dos meus pais estiverem a escassas dezenas de quilómetros desse festival a aguardar em listas de espera para consultas e cirurgias não admito que se gastem recursos para uns gajos se poderem drogar num festival à sua vontade.
«Ele há merdas que eu não admito. Droguem-se à vontade com o seu dinheiro. Com o meu é que não.»

sábado, 21 de julho de 2018

BANANAS. VERDES OU MADURAS ?

Bananas verdes e maduras têm benefícios distintos. Saiba quais escolher
180721. Por Liliana Lopes Monteiro


Alguns gostam das suas bananas verdes, outros maduras e outros bem mais que maduras. Mas sabia que todas as variantes deste fruto apresentam benefícios diferentes para a saúde?

De acordo com a nutricionista Rhiannon Lambert, em declarações à publicação The Daily Mail, apesar da banana ser uma excelente fonte de potássio e de outros nutrientes, as vantagens para o organismo de ingerir este fruto dependem do seu estado.

Bananas verdes têm menos açúcar

Se sofre de diabetes, deve então considerar comer bananas mais para o verde do que para o maduro. Isto porque à medida que a banana amadurece, o amido começa a transformar-se em açúcar.

“Várias pesquisas sugerem que nas bananas verdes, o amido constitui cerca de 80 a 90% do conteúdo de hidratos de carbono, o que à medida que aquela fruta amadurece se transforma em açúcares livres”, alertou Lambert.

Bananas maduras são mais fáceis de digerir

Bananas ligeiramente maduras são uma ótima opção para quem sofre de problemas digestivos.

A nutricionista explica: “Quando o amido mais resistente da banana se transforma em açúcar, mais fácil é para o sistema digestivo processar aquele alimento”.

Bananas ‘castanhas’ estão repletas de antioxidantes

Inicialmente a casca é verde porque está repleta de clorofila, um componente importante para a fotossíntese e que possui propriedades antioxidantes.

Ao amadurecer a clorofila da casca da banana ganha outras propriedades que aumentam ainda mais a produção e presença de antioxidantes naquela fruta.

“Comer uma banana totalmente castanha não é definitivamente para todos os gostos… porém, trata-se de uma fonte extremamente poderosa e potente de antioxidantes”, alerta Lambert.

quarta-feira, 18 de julho de 2018

CONTRA A BARRIGA INCHADA DOS EXCESSOS À MESA

Contra a barriga inchada dos excessos à mesa, é isto que deve comer
180718. Por Mariana Botelho

Há forma de contrariar o desconforto (e arrependimento) sentido após abusar no ‘deslize’ da dieta.

Todos temos dias de exageros, seja porque houve festa, é dia de pecar ou simplesmente porque é fim de semana. Mas dependendo do que come ou do seu tipo de organismo, a resposta do corpo pode comummente passar por barriga inchada, o que leva a uma sensação de grande desconforto.

Porque até os nutricionistas passam por momentos assim, é precisamente uma especialista em nutrição que sugere o que comer no dia a seguir à ‘festa’.

O principal a reter é evitar comidas que retenham muita água, ou seja, tudo o que seja salgado ou processado, bem como alimentos açucarados e álcool. A par destas principais diretrizes, a nutricionista Keri Glassman partilha um plano alimentar mais específico:

Pequeno Almoço: Deve beber bastante água. Mas como tal pode ser difícil, por parecer que incha mais, opte por água com limão. Vai ajudar a ‘puxar’ os fluidos extra que tem retidos no organismo. Ovos serão uma boa opção, já que têm o efeito de acelerar o metabolismo, que pode ser essencial nesta fase, a completar, opte por uma panqueca ou torrada integral – algo que o sacie e não tenha muitas calorias.

Lanche a meio da manhã: Os hidratos de carbono vão lhe reter mais água, o oposto do que se quer. Por isso, o melhor snack serão frutos secos e sementes.

Almoço: Para manter o sistema digestivo a funcionar bem, procure probióticos. Espargos são uma boa fonte, principalmente se acompanhar com salmão, que é rico em proteína e ómega 3, e deixa-o saciado.

Lanche a meio da tarde: Alcachofras. Demasiado ‘exótico’ para um lanche? Têm a capacidade de contrariar o efeito inchado além de outros problemas a nível de estômago, por isso devem ser o alimento preferido nos dias de barriga inchada.

Jantar: Foque-se nos diuréticos, para continuar a eliminar os fluidos extra, até ao final do dia. A nutricionista aconselha dentes-de-leão, um tempero indispensável para o conseguir. Por ser apenas um tempero, dá-lhe muito mais liberdade para decidir o que jantar. Mantenha-se na alimentação leve, pouco temperada, livre de sal e com poucos hidratos de carbono.

DEMÊNCIA VASCULAR

A seguir ao Alzheimer, este é o tipo de demência mais comum

180718. Por Mariana Botelho

Falamos da demência vascular, um problema que afeta grande parte da população idosa.

É raro em indivíduos com menos de 65 anos, mas a partir desta idade, a demência vascular pode acontecer aquando de uma redução do aporte de oxigénio e nutrientes no cérebro, através do sangue, essenciais ao seu bom funcionamento.

Tal acontece quando o sistema vascular, por onde tais nutrientes são transportados é quebrado ou bloqueado. O motivo pode ser simplesmente a idade.

Diz o Mirror que o risco deste tipo de demência duplica a cada cinco anos, após os 65 anos, mas há mais fatores que aumentam o risco como ataque cardíaco, diabetes ou AVC ou mesmo aumento de peso e colesterol alto.

Por todos estes sintomas, depreende-se que uma vida saudável, onde o exercício físico está presente assim como a alimentação equilibrada e o consumo de álcool é apenas moderado, será o primeiro passo para evitar este comum problema.

Por se apontar a pressão arterial, medicação que o contorne é também uma boa solução o que permite concluir que a grande prevalência da demência vascular deve-se, principalmente, à falta de informação.

Por fim, e embora se saiba a origem do problema, ao contrário do que acontece no Alzheimer, os sintomas são semelhantes e passam por esquecimento e dificuldade em falar, pensar e racionalizar.

sexta-feira, 13 de julho de 2018

AMARANTO. PARA EMAGRECER E...

Nove razões para comer amaranto: O alimento versátil que emagrece
180713. Por Liliana Lopes Monteiro

Este alimento, ainda desconhecido por muitos, é sobretudo utilizado em dietas vegetarianas e sem glúten.

© istock

De acordo com a publicação Dicas de Mulher, o amaranto é, na verdade, um 'pseudocereal', ou seja, não é exatamente um grão de cereal, como o trigo ou a aveia, mas contém nutrientes semelhantes aos encontrados nos cereais.
Saiba mais sobre sua composição nutricional e todos os benefícios que trás para a sua saúde.

Nove razões para conhecer e consumir o amaranto diariamente:

1. Valor nutricional

De baixo teor calórico, cada 50 gramas contém 45 calorias, é rico em ferro, potássio, magnésio, fósforo, e fibras.

2. Não tem glúten

O amaranto é ótima opção alimentar para quem sofre de intolerâncias e nomeadamente de doença celíaca. Versátil, o amaranto pode ser introduzido em diversos tipos de receitas.

3. Aliado do cérebro

Fonte de manganês, o amaranto é extremamente importante para a manutenção de uma ótima função cerebral, podendo proteger contra certas condições neurológicas.

4. Excelente para a saúde dos ossos

Rico em fósforo e cálcio, o amaranto contribui para a boa saúde óssea, e pode ajudar a prevenir o aparecimento da osteoporose.

5. Aliado da digestão

Contribui para a otimização do sistema digestivo. Fonte de fibras, ajuda a combater a prisão de ventre e também a aumentar a absorção de nutrientes no organismo.

6. Ajuda na perda de peso

Com alto teor de proteínas e fibras, o amaranto é um bom aliado para quem quer perder aqueles quilos a mais. Ajuda na saciedade, na digestão e no bom funcionamento do intestino.

7. Aliado do coração

Os níveis de potássio encontrados no amaranto, contribuem para a ótima saúde do coração. Além disso, o amaranto ajuda a regular os níveis de colesterol e é rico em ferro, ajudando desta forma o organismo no processo de produção de sangue.

8. Fonte de antioxidantes

O amaranto é ainda rico em antioxidantes, que protegem o organismo contra os radicais livres, ajudando assim a evitar o envelhecimento precoce e o surgimento de doenças crónicas, como patologias cardíacas e cancro.

9. Melhora o sistema imunitário

Fonte de vitamina C, o amaranto contribui para a melhoria do funcionamento imunitário, melhorando a saúde geral do organismo.

Diga sim ao amaranto e sinta-se bem!

quarta-feira, 11 de julho de 2018

EFEITO DO CALOR


Espaços quentes e sem ar condicionado fazem isto ao seu cérebro...
180711. Por Liliana Lopes Monteiro

De acordo com um novo estudo, conduzido por investigadores da Universidade de Harvard, as crianças e os empregados de escritório necessitam de estar em espaços com sistemas de arrefecimento apropriados, sobretudo durante os meses mais quentes, de modo a alcançarem e manterem um bom desempenho.

A nova pesquisa confirma o que há muito se suspeitava – as vagas de calor ‘fritam o cérebro’.

Para efeitos daquele estudo, o grupo de cientistas norte-americanos observou um grupo de estudantes durante um período temporal prolongado de calor, examinando a performance dos indivíduos que viviam em dormitórios com ar condicionado, comparativamente a outros que habitavam em espaços sem qualquer meio de arrefecimento artificial.

Os investigadores apuraram que os participantes que viviam em edifícios quentes atingiram um nível de desempenho medíocre na resolução de problemas e realização de testes de memória, relativamente aqueles que desfrutavam de ar condicionado.

Os dados apurados neste estudo, e noutras pesquisas prévias, sugerem que os seres humanos trabalham melhor quando experienciam uma temperatura ambiente ótima, e os investigadores recomendam, quando possível, a integração de sistemas de ar condicionado sustentáveis e amigos do ambiente em espaços fechados.

“Isto aplica-se sobretudo às crianças na escola e aos empregados de escritório – muitas vezes notamos que os níveis de temperatura estão demasiado elevados devido à inexistência de ar condicionado”, disse o coordenador do estudo, à publicação britânica The Independent, o professor catedrático Jose Guillermo Cedeno-Laurent.

Pesquisas realizadas anteriormente examinaram sobretudo o efeito do tempo quente na saúde física e mental dos indivíduos mais vulneráveis da sociedade, nomeadamente entre os idosos e as crianças.

E tal, segundo Cedeno-Laurent, criou a falsa impressão de que a pessoa comum não é afetada pelas vagas de calor.

segunda-feira, 9 de julho de 2018

APNEIA DO SONO E SEUS INCONVENIENTES



Apneia do sono priva cérebro de oxigénio e provoca demência
9/7/2018. Por Liliana Lopes Monteiro

A condição que faz com que os músculos da garganta relaxem e fechem, e que provoca dificuldades respiratórias, foi associada à redução de determinadas zonas do cérebro, conhecidas por desempenharem um papel fundamental na memória e no processo de aprendizagem.

De acordo com uma equipa de investigadores australianos, a privação de oxigénio provocada pela incidência de apneia do sono pode provocar a redução de certas partes do cérebro e contribuir para o desenvolvimento de demência.

O novo estudo apurou que quem sofre de apneia obstrutiva do sono apresenta uma diminuição na espessura dos lóbulos temporais, e tem um pior desempenho em testes de memória.

Agora aquela equipa de cientistas, da Universidade de Sydney, afirma que um diagnóstico precoce e atempado da apneia poderá ajudar a prevenir a deterioração da memória dos afectados, através da oferta de tratamentos que protejam as vias respiratórias destes indivíduos enquanto dormem.

“Os dados apurados sugerem que devemos apostar num diagnóstico precoce”, disse a professora e coordenadora da pesquisa Sharon Naismith. “Os médicos devem perguntar continuamente aos pacientes que sofrem de apneia acerca do estado da sua memória e celeridade de raciocínio, e se necessário realizar testes que testem essas capacidades”.

A apneia do sono torna-se mais comum à medida que se envelhece, e entre os indivíduos que sofrem de obesidade, tornando por sua vez essas pessoas mais propensas a sofrerem de hipertensão e de diabetes – todos eles factores associados com o desenvolvimento de demência.

Para aquela pesquisa, publicada no periódico científico European Respiratory Journal, os investigadores recrutaram 83 voluntários, de idades compreendidas entre os 51 e os 88 anos, que tinham previamente consultado um médico devido a problemas de memória e alterações frequentes de humor, que podem ser um sinal precoce de demência.

sexta-feira, 6 de julho de 2018

HIPERTENSÃO. OITO SINAIS

Sofre de hipertensão? Oito sinais aos quais deve estar atento
180706. Por Liliana Lopes Monteiro

É crucial que esteja atento à ocorrência de quaisquer sintomas associados à pressão alta. Não coloque a sua saúde em risco.

Estima-se que pelo menos um terço dos indivíduos que sofrem com hipertensão, desconheçam que são afetados por essa condição.

A circulação do sangue, que tem por destino chegar a todos os tecidos e células do organismo, implica que haja alguma pressão sobre as paredes das artérias. Esta pressão, que é normal e até essencial para que o sangue atinja o seu destino, é chamada de ‘tensão arterial’.

Existem, no entanto, uma série de fatores, de ordem genética ou ambiental, que podem fazer com que esta pressão sobre as paredes das artérias aumente em excesso. Nesses casos estamos, então, perante um cenário de hipertensão.

A patologia afeta um em cada três adultos, porém quando se está atento aos possíveis sintomas o problema não tem que ser necessariamente fatal.

Em Portugal existem cerca de dois milhões de hipertensos – será que é um deles?

Eis os oito sinais que não deve ignorar e aos quais deve estar atento:

1. Dores de cabeça – a circulação do sangue associado à pressão alta pode provocar enxaquecas;
2. Tonturas – o aumento ou a diminuição da pressão sanguínea faz com que o coração tenha que trabalhar mais arduamente, causando tonturas;
3. Visão turva – o nervo ótico, localizado por trás do olho, pode ser afetado pela hipertensão;
4. Náuseas e vómitos – a pressão alta tende a perturbar o bom funcionamento do sistema digestivo;
5. Dores no peito – o coração trabalha mais rápido e arduamente do que o habitual;
6. Falta de ar – perturbações na circulação podem causar dificuldades respiratórias;
7. Hemorragias nasais – os vasos sanguíneos no nariz podem inchar e implodir;
8. Tez corada, suores e nervos – a incidência de pressão alta pode causar ataques de pânico.

Como se trata a hipertensão?

São várias as opções para quem pretende reduzir a tensão arterial, incluindo praticar exercício físico regularmente, adotar uma dieta equilibrada e a manutenção de um peso saudável.
Consumir sal em excesso é um dos principais fatores de risco – esteja atento e se necessário procure um médico!

quarta-feira, 4 de julho de 2018

AÇÚCAR ALIMENTA O CANCRO

O açúcar não só alimenta as células de cancro, como as produz!
180703. Lusopt


Descoberta científica sobre o açúcar em relação com o cancro deixa especialistas em alerta.
O açúcar alimenta o cancro, e já escrevemos vários artigos sobre isso.
É estranho saber que ainda hoje essa informação tão importante não é conhecida por todos.

Se uma pessoa sofre desse mal, o primeiro passo é cuidar da dieta.
É crucial cortar no açúcar e investir numa alimentação saudável.
No entanto, temos outra declaração a fazer: açúcar também produz células cancerígenas.

Otto Warburg, vencedor do Prémio Nobel de medicina de 1931, sabe mais do que ninguém sobre a estreita relação entre o cancro e o açúcar.
Ele concluiu: ”Para o cancro, há apenas uma causa nobre. Resumida em poucas palavras, a principal causa do cancro é a substituição da respiração de oxigénio nas células normais do corpo por uma fermentação do açúcar”.

Na década de 1970, o dr. Linus Pauling (um dos maiores químicos de todos os tempos e vencedor do Prémio Nobel em 1954) descobriu que a vitamina C ajuda a proteger nosso corpo contra doenças.
E, nessa pesquisa, o dr. Pauling descobriu que o açúcar faz o inverso, ou seja, dificulta a cura.

Outro estudo, publicado em 2013 e 2014 no Journal Of Clinic Investigation, mostrou que o açúcar não só alimenta as células cancerígenas, mas também produz esse tipo de células.
Isso porque esse veneno tão saboroso é absorvido pelo corpo de uma maneira diferente de qualquer outro alimento.
A reacção é caótica e produz radicais livres, o que danifica a estrutura celular até formar tumores.

Pesquisadores do Huntsman Cancer Institute, em Utah, foram os primeiros a descobrir que o açúcar “alimenta” tumores.
Num artigo publicado na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências, Don Ayer, Ph.D., professor no Departamento de Ciências Oncológicas da Universidade de Utah, disse: “É conhecido desde os anos 1920 que células cancerígenas usam muito mais glicose do que células normais. Nossa pesquisa ajuda a mostrar como esse processo ocorre e como ele pode ser interrompido para controlar o crescimento do tumor “.

Dr. Thomas Graeber, professor de farmacologia molecular e médica, investigou a forma como o metabolismo da glicose afecta os sinais bioquímicos presentes nas células cancerígenas.
Na pesquisa publicada na revista Molecular Systems Biology, Graeber os seus colegas demonstraram que a fome de glicose, isto é, o acto de privar as células cancerígenas de glicose, activa um significativo circuito de amplificação metabólica que leva à morte dessas células.
A eliminação do açúcar, portanto, e de tudo que vire glicose no organismo (como pão, massas, arroz) poderia ser algo a ser adotado na tentativa de melhorar os resultados de tratamentos de cancro.
O aumento dos níveis de insulina é pró-inflamação e pró-cancro e pode promover a proliferação de células cancerígenas.
Logo, quanto menos açúcar ingerir, mais chances estará a dar ao corpo de funcionar correctamente.

Fonte: Muito Fixe

segunda-feira, 2 de julho de 2018

CANCRO DO PÂNCREAS, O MAIS FATAL

CANCRO DO PÂNCREAS: QUEM E COMO ATACA O MAIS FATAL DOS CANCROS
20/06/2018. Por Sara Oliveira

É um dos cancros com menor taxa de sobrevivência e o diagnóstico precoce faz toda a diferença. Atenção aos doentes de risco: diabéticos, obesos, fumadores, alcoólicos, e com histórico familiar.

Cancro do pâncreas. Dor abdominal, perda inexplicável de peso, iterícia, náuseas, perda de apetite, problemas perda de apetite, problemas digestivos, são alguns sinais de alerta.

Vinte por cento dos cancros pancreáticos são diagnosticados em tempo útil de forma a ser possível a sua remoção através da cirurgia. Os pacientes diagnosticados a tempo de serem operados são mais propensos a viver cinco ou mais anos.

Diabéticos, obesos, fumadores, alcoólicos, pessoas com histórico familiar, são doentes considerados de risco.

Noventa por cento de todos os casos pancreáticos são detetados em pessoas com 55 ou mais anos. Um em cada oito casos está ligado à obesidade.

Medidas de prevenção, diagnóstico precoce e rastreios, rapidez nos diagnósticos das doenças oncológicas, rapidez no início dos tratamentos, são fatores decisivos para «combater» esta doença.

Para saber mais clic AQUI