segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

VENTRE LISO

Tem o estômago inchado? Descubra cinco truques para um abdómen plano
181224. Por Liliana Lopes Monteiro

Ter o estômago inchado pode provocar a sensação de desconforto extremo, sobretudo durante a época de Natal. Eis algumas formas simples de se sentir menos inchado durante o período festivo.


© iStock

Dezembro é um mês tipicamente caraterizado pela indulgência, quer quando se trata de comida como de bebida e das inúmeras festas com familiares, amigos e colegas de trabalho.

Nesta altura do ano, a quantidade extra de comida ingerida poder constituir um choque para o organismo deixando a maioria dos indivíduos enfartados e inchados.

Em declarações à publicação britânica Daily Star Online, a nutricionista e dietista Terri-Ann explicou: “Embora todos nos queiramos divertir na época natalícia é normal que acumulemos alguns quilos a mais, porém existem alguns truques que pode colocar em prática para evitar que se sinta excessivamente inchado”.

1. Não consuma refrigerantes e outras bebidas com gás

Sim, provavelmente já sabia que não é benéfico para o organismo consumir refrigerantes. Todavia, a mesma regra aplica-se a bebidas alcoólicas como champanhe ou prosecco.

A nutricionista recomenda limitar a ingestão de bebidas com gás para o máximo de uma por dia, e para dar predileção ao consumo de vodka, gin ou vinho tinto.

2. Faça um dia da asneira

Para Terri Ann o problema é simples: “A maioria dos indivíduos não celebra o Natal apenas nos dias 24 e 25 de dezembro, mas sim durante o mês inteiro”.

“Ao invés de abusar durante todo este mês, tente manter hábitos saudáveis até aos dias realmente festivos, nos quais poderá realmente abusar”.

3. Coma com atenção

Terri-Ann aconselha que deve prestar atenção ao seu organismo e entender se está realmente com fome.

“Tente comer e mastigar devagar, focando-se em cada dentada e saboreando a comida, já que comer muito rápido pode fazer com que engula ar a mais, o que por sua vez provoca inchaço”.

“Também é mais fácil comer em excesso quando o faz rapidamente, já que o cérebro não tem tempo de se aperceber que já está cheio”.

4. Consuma verduras… mas moderadamente

Alguma fruta e vegetais são difíceis de digerir adequadamente, o que pode levar à formação de gás e de dores de estômago – tal acontece sobretudo com o consumo de couves de Bruxelas, brócolos e couve flor.

5. Beba chá

Alguns chás têm um efeito desintoxicante.

Terri-Ann afirma: “A hortelã tem qualidades apaziguadoras que reduzem a inflamação do organismo e podem aliviar as dores de estômago, enquanto que o gengibre contém o composto ‘gingerol’ que ajuda a desinchar”.

“Após fazer a digestão pode também optar por tomar um banho quente. O calor alivia as dores e promove o relaxamento, tal poderá ajudar o sistema digestivo a funcionar mais efetivamente, o que por sua vez poderá contribuir para um ventre mais plano e reduzir o inchaço”.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

ACTIVIDADE FÍSICA BAIXA A HIPERTENSÃO

Ao natural. Esta atividade é tão eficaz quanto medicação para tensão alta
181219. Por Liliana Lopes Monteiro



 A prática de exercício físico é tão eficaz quanto a toma de fármacos para a redução da pressão alta, revela um estudo britânico.

Os investigadores descobriram que entre os voluntários que participaram na pesquisa e que sofriam de tensão alta – acima dos 140mmHg – viram em média uma descida nos valores de cerca de 8,8 com a toma de medicação e de 8,96 através da prática de exercício físico.

Estima-se que qualquer descida na pressão arterial de 10mmHG reduza a possibilidade de ocorrência de ataque cardíaco e de enfarte em cerca de um quarto.

Os especialistas sugerem assim que praticar algum tipo de atividade física é um método tão eficaz quanto a toma de drogas para o tratamento da hipertensão.

Treino de força, corrida e até atividades de baixa intensidade como caminhar provaram ser benéficas para contrariar aquela condição.

Todavia, o líder do estudo, o professor Huseyin Naci, docente na London School of Economics, no Reino Unido, disse em declarações ao The Guardian: “Os indivíduos devem consultar um médico antes de abandonarem a toma de medicação e começarem a praticar exercício”.

Esta meta-análise teve como base 194 ensaios clínicos que incluíram a toma de fármacos e 197 experiências que olharam para o impacto do exercício físico e que envolveram 39,742 voluntários.

terça-feira, 18 de dezembro de 2018

COMER PAPAIA REDUZ BARRIGA

Perca gordura abdominal sem exercício: Coma esta fruta tropical
181218. Por Liliana Lopes Monteiro

Quer perder peso, mas não gosta de praticar exercício físico? Entenda como pode queimar gordura na zona do abdómen adicionando apenas esta fruta à sua dieta.

© iStock

 Não, não precisa de passar horas seguidas no ginásio para conseguir ver resultados no seu perímetro abdominal – afinal basta que repense que tipo de alimentos ingere.

A papaia é comummente considerada um superalimento pelos nutricionistas.

Esta fruta é rica em vitaminas C, E e noutros poderosos antioxidantes.

Pesquisas revelam ainda que comer papaia ajuda quem pretende emagrecer a conseguir um ventre plano.

De acordo com um estudo publicado no periódico científico NCBI, comer este alimento ajuda a prevenir o inchaço abdominal.

Tal, ocorre porque aquela fruta tropical contém a enzima papaiana, que promove o bom funcionamento do sistema digestivo.

Quanto mais rápida é a digestão, mais rápido se torna o funcionamento do metabolismo. Consequentemente o corpo queima mais gordura, propiciando assim a perda rápida de peso.

Já sabe se pretende emagrecer, tente incorporar esta fruta na sua dieta - uma dose de papaia contém apenas 43 calorias.

Pode comer apenas a fruta, adicioná-la a saladas, batidos, molhos ou saladas de fruta. Bom apetite!

sábado, 15 de dezembro de 2018

GENGIBRE CONTRA A HIPERTENSÃO

Combate à pressão alta: Coma este alimento e reduza o risco
181215. Por Liliana Lopes Monteiro



A hipertensão é uma condição comum em Portugal e em todo o mundo, afetando milhões de indivíduos. De modo a reduzir os sintomas e diminuir o risco de hipertensão naturalmente deve comer este alimento.













© iStock

A pressão alta afeta cerca de 25% da população portuguesa.

Os doentes experienciam vários sintomas debilitantes, desde enxaquecas a visão turva.

Têm ainda um risco considerável de sofrerem de problemas sérios de saúde, incluindo ataques cardíacos ou enfartes potencialmente fatais.

Durante as últimas décadas, os médicos têm pesquisado sobre formas de prevenir o aumento da pressão alta. E a maioria dos especialistas recomenda a adoção de certas alterações na dieta de modo a cortar radicalmente o risco de hipertensão.

Mas afinal, o que deve comer para diminuir a probabilidade de sofrer de pressão alta?

Há séculos que o gengibre é utilizado e consumido como um remédio natural na cura de várias maleitas.

É benéfico para o tratamento de náuseas, indigestão, dores musculares e de outros males.

Mais ainda, diversos estudos revelam que aquela raiz diminui a pressão arterial.

Segundo uma pesquisa publicada no periódico científico NCBI, o gengibre funciona como um estimulante. Melhorando a circulação sanguínea e aliviando dessa forma os sintomas associados à hipertensão.

Não sabe como há de consumir o gengibre?

Eis três formas fáceis de inserir este alimento na sua dieta:

1. No chá – moa uma colher e meia de chá da raiz antes de a adicionar à água a ferver durante 10 minutos.

2. Adicione à salada – misture raspas de gengibre ralado com o azeite.

3. Nos cozinhados – novamente misture raspas de gengibre ralado nos seus cozinhados.

É ainda essencial praticar exercício físico regularmente e seguir uma dieta no geral equilibrada.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2018

VITAMINA C PARA EMAGRECER

Emagrecer com saúde: O consumo desta vitamina acelera a perda de peso 
181203. Por Liliana Lopes Monteiro

Quer perder peso? Adicionar certos alimentos à sua dieta pode ajudar a reduzir o perímetro abdominal.

© istock

A melhor forma para perder peso é simples – e consiste nada mais, nada menos do que queimar mais calorias do que aquilo que consome.

Todavia, grande parte dos indivíduos tem dificuldade em combater a gordura que se instala na zona abdominal.

Não só essa gordura acumulada na zona do estômago pode afetar negativamente a confiança, tal como pode impactar negativamente na saúde.

A acumulação de gordura na zona abdominal já foi associada a um maior risco de incidência de doenças como o cancro da mama, pressão arterial elevada, diabetes de tipo 2 e doenças cardíacas.

No entanto, existem métodos simples que poderão ajudá-lo a acelerar a perda de peso.

Aumentar o consumo de vitamina C pode ajudar a reduzir aqueles indesejados quilos a mais, de acordo com pesquisas científicas.

A vitamina C encontra-se em alimentos como laranjas, tangerinas, amoras, pimento vermelho, espinafres, couve ou brócolos e pode ajudar a queimar mais 30% de gordura durante a prática de exercício físico, revela um estudo realizado pelas Universidades Arizona State e de Mesa, nos Estados Unidos.

A mesma pesquisa revelou ainda, que a falta de vitamina C no organismo pode dificultar a perda de peso e a conquista de um índice de massa corporal saudável.

Esta vitamina é ainda um poderoso antioxidante e tem efeitos positivos no sistema imunitário.

O corpo humano não consegue por si produzir ou armazenar vitamina C, sendo como tal essencial o consumo regular de alimentos ricos neste nutriente.

INTOXICAÇÃO COM COGUMELOS

Intoxicação por ingestão de cogumelos “não é rara”. Sabe o que fazer?
181207. Por Filipa Matias Pereira

O Centro de Informação Antivenenos alerta para a necessidade de saber identificar os cogumelos que confeciona.

© iStock

Sabe identificar os cogumelos comestíveis dos que são nocivos para a saúde? Sabe como agir mediante uma intoxicação por cogumelos? Depois de cinco pessoas terem sofrido uma intoxicação devido à ingestão de cogumelos, em Lordosa, no concelho de Viseu, o Centro de Informação Antivenenos (CIAV) emitiu um esclarecimento.

Ora, contrariamente ao que se possa equacionar, este tipo de intoxicação “não é rara” e os primeiros sinais ou sintomas podem aparecer cerca de duas horas após a ingestão, nomeadamente vómitos, diarreia abundante e dores abdominais.

Em caso de intoxicação, deve contactar de imediato o Centro de Informação Antivenenos do INEM – 808 250 143 - e seguir as instruções dadas pelo médico.

Quando consumir cogumelos silvestres deve guardar, pelo menos, um exemplar de cada espécie consumida, já que em caso de intoxicação deverá ter esses exemplares para que a assistência médica possa atuar com maior eficácia. Descreve ainda a nota publicada no site institucional do INEM que “é ainda mais perigoso quando os sintomas aparecem seis horas ou mais após a ingestão”.

Importa ainda seguir os concelhos do INEM e não apanhar nem cozinhar cogumelos frescos, se não os conseguir distinguir com exactidão. Se após a ingestão de cogumelos surgirem sintomas, nomeadamente vómitos e diarreia, deve contactar de imediato o CIAV.

terça-feira, 4 de dezembro de 2018

FARINHA DE TRIGO CURA QUEIMADURA DE ÁGUA FERVENTE

Recebi por e-mail, mas já conhecia.

Uma vez eu estava a cozinhar milho verde e quando coloquei o garfo na água a ferver para ver se o milho estava pronto, sem querer, acabei queimando a mão toda com água fervente...

Um amigo meu, que era veterano de guerra no Vietname, estava lá em casa e ele perguntou-me se eu tinha e onde estava a farinha de trigo...

Eu indiquei-lhe e ele, tirou o pacote e enfiou a minha mão toda dentro da embalagem e disse para eu conservar a mão na farinha por 10 minutos, o que eu fiz.

Disse-me ele que, no Vietname, um soldado estava todo a arder e, em pânico, os camaradas jogaram um saco inteiro de farinha por cima dele todo, o que apagou o fogo. Isso não só apagou o fogo, mas, depois, reparámos que ele não ficara sequer com uma simples bolha!!!!

Encurtando a história, eu pus a minha mão no saco de farinha por dez minutos, e quando a retirei não tinha nem uma mancha vermelha, nem bolha e NEM DOR ALGUMA!!!

Agora, eu mantenho um pacote de farinha de trigo no frigorífico e, sempre que me queimo, uso a farinha de trigo e NUNCA tive uma bolha, nem cicatriz, nem nada. A farinha gelada é melhor ainda do que a que está à temperatura ambiente.

quarta-feira, 21 de novembro de 2018

CUIDADO COM O USO DO TELEMÓVEL

Tem acne ou borbulhas na cara? Este objeto insuspeito pode ser o culpado
Por Liliana Lopes Monteiro


Já se perguntou porque aparecem borbulhas na face, nomeadamente nas bochechas? Numa entrevista para a publicação Refinery29, a dermatologista Anjali Mahto revelou aquele que é para ela o principal motivo para tal acontecer.

Quer se trate de acne ou de uma reação cutânea esporádica – ninguém gosta de ter borbulhas.

Apesar do uso de líquidos de limpeza, máscaras faciais ou cremes, ainda assim nada garante que as tão indesejadas e inestéticas borbulhas não voltem. O que geralmente acontece quando menos se espera e nas alturas mais inoportunas...

Segundo, a dermatologista Anjali Mahto, autora do livro ‘The Skincare Bible’ (‘A Bíblia dos Cuidados da Pele’), o motivo para que a pele reaja dessa forma poderá surpreendê-lo.

Trata-se nada mais nada menos do que o uso do telemóvel.

“Geralmente temos mais borbulhas na cara, nas costas e no pescoço porque estas são as zonas do corpo com maior densidade de glândulas que produzem óleo”, explicou.

“Quando as borbulhas surgem especificamente nas bochechas tal poderá estar relacionado com o uso do telemóvel, a combinação de sujidade presente no ecrã, juntamente com o calor e a oclusão estimulam a produção de óleo por parte das glândulas”.

Como prevenção, a dermatologista recomenda a limpeza regular e diária do ecrã do telemóvel.

sábado, 10 de novembro de 2018

terça-feira, 6 de novembro de 2018

REDUZIR O RISCO DE CANCRO

Consumir alimentos orgânicos ajuda a reduzir o risco de cancro
Transcrição de texto de «Notícias ao minuto»


Pode pesar mais na carteira, mas trará certamente benefícios a longo prazo

Os alimentos orgânicos são mais caros mas apresentam muitos benefícios para a saúde.

Um estudo francês, recém publicado na JAMA Internal Medicine acompanhou 70 mil adultos (maioiritariamente mulheres) durante cinco anos e concluiu que as pessoas que consumiam com frequência alimentos orgânicos contavam com 25% menor risco de vir a desenvolver cancro, comparativamente aos que nunca priorizavam este tipo de alimento.

Ainda de acordo com a pesquisa, quem ingeria hortaliças, fruta, laticínios e carne orgânicos apresentou uma menor incidência de linfomas bem como significativa redução de risco de cancro da mama na pós-menopausa.

"Esperávamos encontrar uma redução, mas esse resultado é muito mais significativo", afirmou Julia Baudry, principal autora do estudo e investigadora do Centro de Pesquisa em Epidemiologia e Estatística Sorbonne Paris Cité, do Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica de França.

"Do ponto de vista prático, os resultados ainda são preliminares e não são suficientes para alterar as recomendações dietéticas sobre a prevenção do cancro", disse Frank B. Hu, autor do comentário e presidente do departamento de nutrição da Escola de Saúde Pública T.H. Chan de Harvard.

terça-feira, 30 de outubro de 2018

quarta-feira, 3 de outubro de 2018

A SAÙDE E A ALIMENTAÇÃO

Têm surgido neste blog comentários, talvez de médicos ou seus amigos a levantar dúvidas sobre artigos aqui publicados e aconselhando a não os seguir sem pedir opinião de médico. Aceitar essas dúvidas ou aceitar o que aqui é transcrito fica a cargo de cada um.
Mas os medicamentos surgiram com base em produtos naturais, com o inconveniente de estes serem industrializados com adição de produtos químicos, o que lhes traz perigo de efeitos colaterais e de interferência de outros remédios.
Li há dias que no mundo morrem milhares de pessoas devido a medicamentos.
Por outro lado, grande parte dos médicos têm benefício em receitar e mandar fazer exames, transformando os doentes numa ferramenta do seu próprio enriquecimento. Estou num lar de idosos que é apoiado por um médico e a sua esposa, médica, todos os dias úteis. Estão de más relações comigo por me recusar a obedecer às suas imposições, sem necessidade.
Perguntei a um médico amigo se o doente é obrigado a obedecer a ordens do médico e ele respondeu: o médico não dá ordens, dá conselhos e sugere tratamentos ou actos clínicos que julga convenientes mas o doente só aceita o que entende e não é obrigado a obedecer. 
A própria indústria farmacêutica tem retirado do mercado medicamentos que curavam a doença em poucos dias e a substituí-los por outros que apenas atenuam a doença e têm que ser tomados continuamente por muito tempo. Enfim, transformam uma doença de cura rápida numa doença crónica para perpetuarem o negócio. Essa indústria premeia monetariamente os médicos que lhes dão mais negócio, tal como fazem os laboratórios de exames.
A realidade mostra que a nossa saúde depende daquilo que comemos e bebemos, além de comportamento adequado, pelo que devemos ter muito cuidado com a alimentação. É para ajudar nesse comportamento que este blog contém  muitas centenas de dicas consideradas úteis para os visitantes e que são transcritas de publicações fiáveis e sem interesse publicitário.

terça-feira, 2 de outubro de 2018

TENSÃO ARTERIAL. COMO A BAIXAR

Pressão arterial alta? Diga não a este alimento e reduza o risco
181002 Por Liliana Lopes Monteiro

Os sintomas associados à pressão arterial afectam 26,9% dos portugueses. De modo a reduzir naturalmente o risco, faça estas alterações na sua dieta e estilo de vida.

© iStock

Índices de tensão arterial elevados podem aumentar perigosamente o risco de incidência de ataques cardíacos e de enfarte.

Existem inúmeras atitudes capazes de aliviar os sintomas, incluindo a adopção de alterações saudáveis no estilo de vida e na alimentação.

Várias pesquisas já demonstraram que reduzir o consumo de açúcar é uma das melhores formas de diminuir a pressão arterial.

A associação britânica dedicada à prevenção da hipertensão Blood pressure UK, explica que consumir demasiado açúcar pode provocar a ocorrência do problema.
O website da associação avisa: “Comer demasiado açúcar pode provocar o aumento de peso, o que por sua vez aumenta o risco de pressão arterial”.

“Os alimentos com alto teor de açúcar são igualmente ricos em calorias, mas frequentemente são pobres em nutrientes, o que pode levar a um pico súbito de energia seguido por uma sensação de apatia”.
“O que poderá fazer com que os indivíduos se sintam moles e preguiçosos, aumentando por sua vez o desejo de consumir ainda mais alimentos ricos em açúcar, elevando assim a probabilidade de aumento de peso”, pode ler-se na página online.

“Existem inúmeras provas científicas que os açúcares – componentes absorvidos e digeridos rapidamente pelo corpo – podem causar o aumento repentino dos níveis de açúcar e de insulina, o que a longo prazo é prejudicial para a saúde, e está associado a doenças como a diabetes e a patologias cardiovasculares”.

Mas como pode reduzir o consumo de açúcar?

Eis cinco dicas fáceis que pode e deve seguir:

1. Evite comer alimentos processados;
2. Não beba refrigerantes e sumos de fruta;
3. Opte por alimentos integrais;
4. Opte pelos pratos mais saudáveis quando come fora de casa;
5. Ingira mais fibra (nutriente presente sobretudo nos vegetais e na fruta).

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

ASPIRINA DIÁRIA TEM RISCO

Tomar aspirina pode fazer mais mal do que bem...
180917. Por Liliana Lopes Monteiro

Uma nova pesquisa, apurou que ingerir diariamente a medicação anticoagulante apresenta benefícios limitados para a população mais idosa.

Tomar uma aspirina por dia não mantém o médico à distância – e pode afinal representar uma ameaça para a saúde, sugere aquele estudo.

Ingerir diariamente uma dose do fármaco anticoagulante têm benefícios limitados, diz a pesquisa que teve como amostra 19,114 participantes.

Consumir aspirina não reduziu significativamente o risco de ataque cardíaco, de enfarte ou de demência entre adultos saudáveis com mais de 70 anos.

Todavia, a droga foi associada a um aumento do risco significativo de ocorrência de hemorragias internas.

O professor John McNeil, da Universidade de Monash, na Austrália, disse: “Tal significa que milhões de idosos saudáveis em todo o mundo que tomam aspirina regularmente, e sem um motivo médico, podem estar a fazê-lo desnecessariamente”.

Cerca de metade dos participantes no ensaio clínico tomaram 100 miligramas de aspirina diariamente e a outra metade consumiu um placebo. Ambos os grupos foram seguidos durante um período de cinco anos.

Entre os que tomaram aspirina, 3,8% apresentou sérios problemas hemorrágicos, comparativamente a 2,8% dos indivíduos aos quais foi administrado um placebo. Mais ainda, 5,9% dos participantes que tomaram aspirina faleceram, relativamente a 5,0% dos que não ingeriram aquela medicação.

NOTA:
UM amigo apareceu com um derrame numa vista. O oftalmologista disse-lhe que não se preocupasse porque isso ia desaparecer. O cardiologista disse-lhe que parasse de tomar a aspirina 100 até a vista ficar limpa e que a seguir apenas a devia tomar em três dias da semana. A dosagem do medicamento devia ser apenas de 75 e não de 100
Já parei de a tomar. Escolho o risco menor.

A ACTIVIDADE ADIA O ENVELHECIMENTO

Um estudo comissionado pela empresa britânica de suporte ortopédico Neo G, apurou que fazer festas a animais, ir de férias, conviver com os amigos e passar tempo com o parceiro são actividades que ajudam a aliviar o ‘peso’ dos anos, a sentir-se mais jovens.

Os investigadores afirmam que os indivíduos mais activos sentem-se entre 12 a 15 anos mais rejuvenescidos, relativamente às pessoas menos activas.

Paul Starkey, porta-voz da Neo G, disse: “Há séculos que queremos e tentamos sentirmo-nos e parecermos mais jovens”.

“Quando se trata de reter a juventude – não é de todo cliché – sentirmo-nos jovens por dentro é um factor fundamental”.

“As pessoas que parecem e se sentem muito mais jovens do que aquilo que aparentam – os chamados jovens de espírito – sempre foram um mistério para a ciência, por isso e felizmente esta pesquisa conseguiu revelar algumas das atividades que podemos incorporar no nosso dia a dia para alcançar essa forma de estar”.

“Este estudo salienta a necessidade de continuarmos a cuidar de nós próprios, independentemente da idade e de aproveitar o melhor que a vida tem para nos oferecer – quer isso para uns signifique ser mais ativo ou passar mais tempo com os amigos e a família”, reiterou Starkey.

Recordo que aqui publiquei os seguintes postes relacionados com este assunto:
MANTER O CÉREBRO JOVEM E SAUDÁVEL http://paoesaude.blogspot.com/2018/09/manter-o-cerebro-jovem-e-saudavel.html
REGRAS PARA IDOSOS http://cvssemprejovens.blogspot.com/2018/09/regras-para-idosos.html

domingo, 16 de setembro de 2018

AZIA. COMO A TRATAR

Sente um ardor no peito? Entenda porque tem azia e como tratar a condição
180916. Por Liliana Lopes Monteiro

A sensação de azia pode ser evitada através da adoção de algumas mudanças no estilo de vida.
Provavelmente já teve azia, mas se calhar não sabe o porquê de ter experienciado a tão desconfortável sensação de ardor no peito.

Sente-se diretamente atrás do esterno, podendo ainda afluir à garganta e resultar num gosto acídico ou amargo na boca.
A dor é por vezes mais intensa após comer, ao deitar ou durante o período noturno, e apesar de normalmente o desconforto não constituir motivo de alarme, pode ainda assim ser incomodativo quando acontece frequentemente.
Mas felizmente, a sensação ocasional de azia é fácil de tratar com a toma de fármacos sem prescrição médica ou através da adoção de simples mudanças no estilo de vida.

O que é a azia?

O ardor que sente no peito resulta do refluxo ácido, um fenómeno durante o qual os conteúdos presentes no estômago se veem forçados a voltar para o esófago, o canal através do qual a comida viaja até ao estômago, de acordo com a explicação do centro de pesquisa médica norte-americano sem fins lucrativos Mayo Clinic.
A condição ocorre sobretudo quando se dá o enfraquecimento ou relaxamento anormal do esfíncter inferior do esófago.
Os conteúdos do estômago são extremamente acídicos, provocando a tal sensação de ardor.
Sensação essa que também pode ocorrer no fundo da garganta.
A ocorrência frequente de refluxo ácido, nomeadamente mais de duas vezes por semana, é chamada de doença do refluxo gastroesofágico sintomática.

O que provoca azia?

Não há apenas um fator que causa azia – já que diferentes alimentos, bebidas e escolhas de vida podem propiciar o seu aparecimento.
De acordo com a publicação Livescience, a azia é muitas vezes provocada devido ao consumo de café, álcool, chocolate ou de alimentos picantes ou com alto teor de gordura.
Existem também alguns fatores que podem contribuir para a azia, tais como fumar, stress e ansiedade, excesso de peso ou gravidez.
Adicionalmente, a população mais idosa está igualmente mais propensa a sofrer de azia.

Como se cura?

Felizmente, a ocorrência ocasional de azia é fácil de tratar.
Para quem sofre com a condição recomenda-se a toma de antiácidos, fármacos que se encontram à venda em qualquer farmácia. Os antiácidos neutralizam a acidez do estômago, aliviando dessa forma os sintomas.
Adicionalmente, mudar certos hábitos de estilo de vida pode ajudar igualmente a combater a azia.
Evite comer alimentos ‘tóxicos’, ingira refeições mais pequenas, e refreie-se de comer entre três a quatro horas antes de ir dormir.
Outras alterações, incluem evitar vestir roupa muito justa e dormir com a cabeça demasiado elevada, gestos insuspeitos que curiosamente também provocam azia.

quinta-feira, 13 de setembro de 2018

CANCRO É DOENÇA A EVITAR E ULTRAPASSAR

A entrevista com o Coordenador do Programa Nacional para as Doenças Oncológicas, Dr. Nuno Miranda, publicada no Diário de Notícias com o título «Todos os anos 2500 pessoas que já tiveram cancro voltam a ter a doença» é extensa e só será lido por quem tiver muito interesse em problemas de saúde. Mas tem aspectos que merecem ser meditados. 
Embora muitos cancros possam ser curados, há muitos casos de reincidências porque os agentes que geraram o anterior também actuaram em zonas vizinhas onde poderá vir a surgir. Cita o tabagismo como factor culpado de muitos cancros no pulmão e que é difícil de evitar por se tratar de toxicodependência com força superior à resistência de muitos fumadores. https://www.dn.pt/edicao-do-dia/13-set-2018/interior/todos-os-anos-2500-pessoas-que-ja-tiveram-cancro-voltam-a-ter-a-doenca-9837906.html

segunda-feira, 10 de setembro de 2018

MANTER O CÉREBRO JOVEM E SAUDÁVEL

Formas de manter o seu cérebro jovem e saudável
180910. Por Notícias Ao Minuto

Ao mudar alguns hábitos e rotinas conseguirá melhorar a sua saúde mental.


© iStock

Formas de manter o seu cérebro jovem e saudável
- Saiba o que poderá fazer para manter o seu cérebro jovem e saudável:

Estimulação mental - Atividades que o 'obriguem a pensar' estimulam as conexões das células nervosas e são capazes de estimular o cérebro a gerar novas.
Ler - Podem ser romances ou até mesmo aquilo que está escrito na caixa dos cereais, desde que leia o máximo que puder. Além disso, ao manter a mente a funcionar estará a aprender coisas novas.
Jogos de palavras - As palavras cruzadas são uma excelente forma de obrigá-lo a pensar. Poderá aumentar a dificuldade das mesmas à medida que melhora.
Problemas matemáticos - Resolver um problema de matemática também requer estimulação de várias partes do cérebro.
Desenhar e pintar - Mesmo que não tenha muito talento, aprenda uma nova arte, como a pintura. Isto obrigará o seu cérebro a desenvolver novas competências.
Notícias - Independentemente dos seus interesses, que podem variar desde política a celebridades, estar a par das notícias estimula a atividade cerebral.
Filmes - Assistir a filmes que sejam provocantes e ambíguos manterão o seu cérebro a pensar em várias possibilidades durante dias.
Jogos de vídeo - Cientistas já mostraram que jogar determinados jogos de vídeo está ligado a um risco reduzido de desenvolver Alzheimer.
Passatempos - Retome um passatempo antigo ou comece um novo. Isto estimulará e encorajará o fluxo da criatividade.
Exercício físico - Praticar desporto não só trará benefícios ao seu corpo, como também manterá a sua mente saudável. Durante a prática de desporto existe um aumento do fluxo sanguíneo para o cérebro, que leva oxigénio à região responsável pelo pensamento.
Nadar - A natação é um excelente desporto que trabalha muitos dos músculos do corpo.
Passear o cão - Levar o seu amigo patudo a passear irá aumentar o seu humor, trazendo benefícios à sua saúde mental e física.
Dança - Seja tango ou balé, o importante é inscrever-se em aulas de dança. Aprender um novo tipo de dança colocará a sua mente e o seu corpo a trabalhar.
Ioga - Além de ajudar na tonificação e flexibilidade do corpo, o ioga ajuda a reduzir o stress, tornando assim o cérebro mais saudável.
Desafie o seu cérebro - Estar constantemente a aprender coisas novas é uma ótima forma de exercitar o cérebro. Certifique-se de que está sempre curioso e alerta. Caso não conheça determinada palavra ou planta, vá à procura!
Música - Aprender a tocar um instrumento ou a ler música é uma ótima forma de trabalhar os lados lógicos e criativos do cérebro.
Língua - Aprender uma nova língua também é uma excelente forma de se desafiar a si próprio.
Xadrez - Aprender a jogar xadrez é um bom exercício para o cérebro. Casa já saiba como jogar, encontre um parceiro com quem possa jogar com regularidade.
Mudar de emprego - Caso não se sinta estimulado o suficiente no seu trabalho atual, considere procurar outro emprego. No entanto, se a sua profissão já não o satisfaz, saiba que nunca é demasiado tarde para fazer uma mudança.
Viajar - Quer esteja a viajar dentro do seu próprio país ou esteja a explorar outra nação, quebrar a rotina ajuda a estimular a mente. Além disso, há sempre a vantagem de conhecer pessoas e culturas diferentes, além de poder explorar uma nova língua.
Regressar à escola - Pode fazer uma formação ou terminar algum curso que tenha deixado por acabar. É uma ótima forma de desafiar o seu cérebro.
Melhore a sua dieta - A dieta é uma importante parte da saúde, por isso certifique-se que ingere as vitaminas e os nutrientes necessários para o seu corpo e mente.
Antioxidantes - Os alimentos ricos em antioxidantes ajudam a melhorar o foco, a memória e a resolução de problemas.
Fast food, não - Evite as comidas que não sejam saudáveis. As gorduras saturadas e as quantidades altas de açúcar tornam-se em obstáculos quando procura estar em forma.
Açúcar no sangue - Tente manter os níveis de açúcar no sangue dentro dos padrões normais. Para isso, coma de forma saudável e pratique desporto com regularidade. A diabetes é considerado um fator de risco para doenças mentais, como a demência.
Colesterol - Mantenha os seus níveis de colesterol mau (LDL) os mais baixos possíveis, uma vez que também estão ligados a um elevado risco de desenvolver demência. Caso seja necessário, consulte um médico.
Evite o tabaco - Os cigarros são prejudiciais em todos os sentidos, por isso evite-os a todo o custo.
Beber em excesso - O consumo excessivo de bebidas alcoólicas também está relacionado com o risco de vir a desenvolver demência.
Emoções - Depressão, ansiedade, stress e privação do sono são fatores determinantes quando falamos na saúde do cérebro. Torne a sua preocupação com a saúde mental num objetivo pessoal.
Proteja a sua cabeça! - Pode parecer óbvio, mas evite as lesões na cabeça, uma vez que estas podem causar problemas graves a nível cognitivo. Não se esqueça de usar um capacete!

Seja aos 20 ou aos 60 anos é sempre importante manter a saúde física e mental a um bom nível.

É certo que o cérebro vai sofrendo algumas alterações consoante a idade, mas saiba que existem alguns exercícios e rotinas que o poderão ajudar a ter uma boa saúde mental.

terça-feira, 28 de agosto de 2018

VITAMINA D. SEUS BENEFÍCIOS

SOBRE A VITAMINA DE EXPOSIÇÃO AO SOL
(Compilado por Mike Adams, com base numa entrevista com o Dr. Michael Holick, autor do livro “The UV Advantage”)

A vitamina D evita a depressão, osteoporose, cancro da próstata, cancro da mama e, até mesmo efeitos dos diabetes e obesidade. A vitamina D é talvez o nutriente mais subestimado no mundo da nutrição. Isso é provavelmente porque é “gratuita”: o seu corpo a produz quando a luz solar atinge a sua pele. As empresas farmacêuticas não lhe podem vender a luz solar, por isso não há promoção dos seus benefícios para a saúde.

A maioria das pessoas não sabe destes factos verdadeiros acerca da vitamina D:

1. A vitamina D é produzida pela pele em resposta à exposição e radiação ultravioleta da luz solar natural.

2. Os saudáveis raios de luz solar natural que geram a vitamina D na sua pele não atravessam o vidro e, por isto, o seu organismo não produz vitamina D quando você esta no carro, escritório ou em sua casa.

3. É quase impossível conseguir quantidades adequadas de vitamina D a partir da dieta. A exposição à luz solar é a única maneira confiável para o seu corpo dispor de vitamina D.

4. Seria necessária a ingestão diária de dez copos grandes de leite enriquecido com vitamina D para obter os níveis mínimos necessários dessa vitamina.

5. Quanto maior a distância da linha do equador e o lugar onde você vive, maior será a exposição ao sol necessária para gerar vitamina D, pois depende do ângulo de incidência dos raios solares. O Canadá, o Reino Unido, e a maior parte dos EUA estão longe do equador e a maior parte do Brasil está perto do equador.

6. Pessoas com a pigmentação escura da pele podem precisar de 20-30 vezes mais exposição à luz solar do que pessoas de pele clara para gerar a mesma quantidade de vitamina D. Por isto, também, o cancro da próstata é muito frequente nos homens negros - é a simples deficiência generalizada de luz solar.

7. Níveis suficientes de vitamina D são essenciais para a absorção de cálcio nos intestinos. Sem vitamina D suficiente, o seu corpo não pode absorver o cálcio, tornando os suplementos de cálcio inúteis.

8. A deficiência crónica de vitamina D não pode ser revertida rapidamente. São necessá

rios meses de suplementação de vitamina D e de exposição à luz solar para “reconstruir” os ossos e o sistema nervoso. 9. Mesmo os filtros solares fracos (FPS = 8) bloqueiam em 95% a capacidade do seu corpo de gerar vitamina D. É por isto que o uso constante de protectores solares provocam deficiência crítica de vitamina D.

10. A exposição à luz solar não gera produção excessiva de vitamina D no seu corpo, porque ele se auto-regula e produz apenas a quantidade que necessita.

11. Se a pressão firme no seu osso esterno dói, você pode estar sofrendo de deficiência crónica de vitamina D.

12. A vitamina D é “activada” pelos rins e fígado, antes de ser usada pelo organismo e, por isso, doenças renais ou hepáticas podem prejudicar muito a activação da vitamina D circulante.

13. A indústria de protectores solares não quer que você saiba da necessidade de exposição ao sol, porque esta revelação significaria a queda nas vendas de seus produtos.

14. A vitamina D é um poderoso “remédio” que o seu próprio corpo produz inteiramente de graça e sem necessidade de prescrição médica!

15. Algumas substâncias denominadas “antioxidantes” aceleram muito a capacidade do organismo para lidar com luz solar, sem que ela nos provoque danos, também permitem que você fique exposto ao sol duas vezes mais tempo sem danos. Um exemplo de tais antioxidantes é a astaxantina, poderoso “filtro solar interno”. Outras fontes de antioxidantes similares são algumas frutas (açaí, romã, mirtilo, etc.), algumas algas e alguns crustáceos do mar (camarão, “krill”, etc.)-

Doenças e condições causadas pela deficiência de vitamina D:

. A osteoporose é geralmente causada por falta de vitamina D que provoca deficiência na absorção de cálcio.

. A deficiência de vitamina D na infância causa o raquitismo, falta de calcificação dos ossos.

. A deficiência de vitamina D pode agravar o diabetes tipo 2 e prejudicar a produção de insulina pelo pâncreas.

. Bebés que recebem um suplemento de vitamina D (2.000 unidades por dia) têm um risco 80% menor de desenvolver diabetes tipo 1 durante os próximos vinte anos.

. A obesidade prejudica a utilização da vitamina D no organismo e obesos precisam de duas vezes mais vitamina D.

. A depressão, a esquizofrenia e os cancros de próstata, da mama, ovários e do cólon são frequentes em pessoas com deficiência de vitamina D. Portanto, níveis normais de vitamina D previnem estas doenças.

. O risco de desenvolver doenças graves como diabetes e cancro é reduzido de 50% a 80% através da exposição simples, à luz solar natural 2 a 3 vezes por semana.

. A depressão sazonal de inverno, muito comum nos países de clima temperado, é causada por um desequilíbrio da melatonina, devido à menor de exposição ao Sol.

. A vitamina D é utilizada no tratamento da psoríase, doença inflamatória crónica da pele.

. Deficiência crónica de vitamina D é muitas vezes diagnosticada erradamente como fibromialgia, porque os seus sintomas são muito semelhantes: fraqueza muscular e dores.

Estatística chocante! São deficientes em vitamina D: 40% da população dos EUA, 32% dos médicos e estudantes de medicina, 42% das mulheres afro-americanas em idade fértil, 48% das meninas de 9 a 11 anos, até 60% dos pacientes de hospitais, até 80% dos pacientes do lar de idosos e 76% das mulheres grávidas e 81% das crianças delas nascidas, as quais terão, mais tarde na vida, maior predisposição ao diabete tipo 1, à artrite, à esclerose múltipla e à esquizofrenia.

O que você pode fazer:

A exposição sensível à luz solar natural é a estratégia mais simples, mais fácil e ainda uma das mais importantes para melhorar a saúde. Se mais pessoas lessem estas informações, poderíamos reduzir drasticamente as taxas de várias doenças crónicas. A exposição à luz solar é realmente uma das terapias mais poderosas. Não há nenhuma droga, nenhum procedimento cirúrgico ou de alta tecnologia que chegue sequer perto do surpreendente efeito saudável da luz natural. E o melhor: você pode obtê-lo gratuitamente!

!! E o pior: é por isso que quase ninguém o divulga!

TRICORDER, PARA SABER A SUA SAÚDE


segunda-feira, 20 de agosto de 2018

FRANGO. CUIDADO COM A SUA CARNE

Este comum alimento é o que mais nos faz adoecer, dizem especialistas
180820. Por Mariana Botelho

Quem o confirma é o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças americano.


© iStock

Não tem de o deixar de comer, apenas de aumentar a sua atenção para garantir que não come versões de pouca qualidade. Falamos do frango, alimento muito presente na rotina alimentar de quem não é vegetariano e segue uma dieta mais ou menos variada.

Sem ignorar todos os benefícios desta fonte de proteína, o frango ou derivados de aves são responsáveis por mais de 12% das infeções intestinais causada por alimentos.

Foi o Lavanguardia que avançou com tal informação. O jornal espanhol esclarece que os lacticínios continuam a ser os produtos mais apontados como causadores de maus surtos, os problemas oriundos pelo consumo de frango contabilizam mais vítimas.

Para bem proteger o seu organismo e evitar a infecção, especialistas apontam a necessidade de não se lavar a carne de frango, um hábito que propicia a activação de certas bactérias de alto risco de infecção.

A par desta fonte de proteína, os ovos são os derivados do frango que mais se associa ao risco, principalmente quando desenvolvem salmonela.

ESTUDANTES APOIAM IDOSOS


domingo, 19 de agosto de 2018

MITOS SOBRE O CONSUMO DE ÁLCOOL

Beber moderadamente faz bem? Quatro mitos sobre o consumo de álcool
180819. Por Liliana Lopes Monteiro

Em declarações à BBC, o médico e apresentador daquele canal televisivo, Michael Mosley, elucidou acerca dos efeitos do álcool nos processos químicos do corpo humano.


© iStock

Mosley revelou toda a verdade sobre mitos espalhados há décadas – ou por séculos? – a respeito dos efeitos do consumo de álcool, alguns deles relacionados a supostos benefícios à saúde.

1. 'Beber moderadamente não faz mal'

Infelizmente, explica Mosley, qualquer quantidade de álcool que ingerir irá provocar um aumento nos riscos de desenvolver algumas formas de cancro – particularmente de cancro da mama –, incluindo algumas ocorrências mais raras da doença, em partes do corpo como a cabeça, pescoço e garganta.

É claro que esses riscos são menores quando se bebe moderadamente, mas eles tendem a crescer bastante rápido conforme a ingestão excessiva de álcool.

2. 'Beber vinho tinto faz bem'

É comum ouvir dizer que beber vinho tinto beneficia o ótimo funcionamento do coração – idosos de algumas partes do mundo, por exemplo, atribuem a longevidade ao hábito de tomar um copo antes das refeições.

A verdade é que as uvas, e por consequência o vinho, têm uma substância chamada resveratrol, que, segundo inúmeros estudos, diminui os níveis de um tipo de colesterol que se acumula nas paredes dos vasos sanguíneos, e, no limite, causa obstruções e doenças cardiovasculares.

O problema, afirma Mosley, é que esse benefício só é alcançado com o consumo de uma quantidade muito grande de vinho. E os malefícios desse hábito seriam tão grandes, incluindo os riscos de cancro citados acima, que essa vantagem seria mínima.

3. 'Misturar bebidas deixa-o mais bêbado'

Na verdade, explica Mosley, não interessa muito que tipo de álcool há na bebida que está a beber: o resultado será o mesmo. Uma das exceções acontece relativamente ao consumo de bebidas com bolhas, como o champanhe, por exemplo.

O motivo é que estas relaxam os músculos que controlam a passagem de álcool e comida entre o estômago e o intestino delgado, onde as substâncias passam a ser absorvidas pelo organismo.

Ou seja, se beber champanhe e, logo em seguida, ingerir a cerveja, essa segunda bebida chegará ao intestino delgado, deixando-o bêbado muito mais rápido.

4. 'Cafeína cura a bebedeira'

Trata-se de outro mito, de acordo com o apresentador da BBC.

Segundo Mosley, todo o álcool consumido vai continuar no corpo até ser totalmente metabolizado, mesmo que tome uma jarra inteira de café na manhã seguinte.

O máximo que a cafeína pode fazer é deixá-lo um pouco mais desperto durante a ressaca.

EVITAR O CANCRO DO CÓLON

Estes alimentos previnem o risco de aparecimento de cancro do cólon
180819. Por liliana Lopes Monteiro

Um novo estudo sugere que comer certos vegetais pode reduzir os níveis de inflamação nos intestinos e consequentemente o risco de aparecimento de cancro do cólon.

© iStock

Comer vegetais, tais como couve e brócolos pode ajudar a prevenir o desenvolvimento de cancro do cólon numa idade mais avançada, alerta uma pesquisa conduzida por investigadores do Francis Crick Institute, em Londres.

De acordo com o estudo inédito, a ingestão daqueles vegetais reduz os índices de inflamação do intestino e do cólon, diminuindo assim a propensão de aparecimento da patologia fatal.

A pesquisa que foi publicada no periódico médico Immunity, explorou os benefícios para a saúde que resultam do consumo de um regime alimentar rico em indole-3-carbinol (I3C).

O I3C é produzido pelo corpo humano quando vegetais do género Brassica são digeridos pelo organismo.

Os vegetais da família das Brassicas incluem brócolos, couve-flor, couves de bruxelas, couve galega e couve em geral.

Para efeitos daquela pesquisa os investigadores estudaram roedores geneticamente modificados, os quais foram alimentados com uma dieta rica em I3C.

E apuraram que a presença de I3C era capaz de prevenir a inflamação do cólon e o desenvolvimento de cancro, devido à ativação da proteína denominada de receptor aril hidrocarboneto (AhR).

O primeiro efeito desse processo foi capaz de deter a inflamação do intestino, já que a AhR envia sinais às células imunitárias e epiteliais que revestem aquele órgão.

Dessa forma, os ratos mostraram uma menor propensão de desenvolverem cancro do cólon.

Gitta Stockinger, uma das investigadoras envolvidas naquela pesquisa, disse: “Estes resultados são bastante otimistas; é verdade que não podemos alterar os fatores genéticos que aumentam a probabilidade de surgimento desta doença, mas podemos provavelmente mitigar esses riscos ao adotar uma dieta apropriada e variada rica em vegetais”.

sábado, 18 de agosto de 2018

REFRIGERANTES PREJUDICAM A SAÚDE



Largue os refrigerantes e ganhe anos de vida (é tão mau quanto o tabaco)
180816. Por Mariana Botelho

Sim, o consumo de tais bebidas envelhece, e eliminá-las da sua alimentação traz nada mais do que vantagens.

Embora o consumo de tabaco não seja equiparado ao de refrigerantes e bebidas açucaradas, sabe-se que ambos são maus hábitos. A Organização Mundial de Saúde aconselha que o consumo de tais bebidas seja excepcionalmente pontual, não há nutricionista nem dietista que não o repugne e todos sabemos que nada de positivo vem dentro de tais latas com gás.

Ainda assim, muitos são os que mantêm o seu consumo, e que provavelmente desconhecem o bem que podiam fazer ao próprio corpo se as deixassem. Mesmo que o aumento de peso não seja evidente, o consumo de bebidas açucaradas deixa-nos inchados, aumenta a pressão arterial e afecta a mente.

Estes e outros aspectos são referidos em diversos estudos, de entre os quais se destaca um de 2014, intitulado ‘Os refrigerantes podem envelhecer tanto quanto o tabagismo’. Foi este estudo que levou o jornalista Michail Freidson, há cerca de três anos, a repensar os seus hábitos de consumo. Na altura, bebia em média dois litros de Coca-Cola por dia, por isso era evidente que a mudança de hábitos traria várias consequências. Além de perder nove quilos com esta simples mudança, o jornalista admite sentir-se com bastante mais energia, rápido e focado.

A sua história tem sido citada por vários meios e é complementada com recentes estudos sobre o caso, que servem de alerta e meio para esclarecer certos mitos, por exemplo, o de que também os refrigerantes considerados light ou dietécticos contam com os mesmos riscos.

Para Freidson, mudar é simples, basta que se foque em cinco passos:

1. Encontre alternativas aos refrigerantes, como chá verde ou água aromatizada
2. Crie uma rotina: Se bebia refrigerante sempre ao almoço, beba a ‘nova’ bebida à mesma hora
3. Recompense-se: Se o seu corpo ainda está muito habituado ao açúcar, tome de quando em vez café com açúcar ou mesmo um refrigerante (muito pontualmente, é claro). Verá que não lhe faz assim tanta falta
4. Resista aos enganos do marketing: Se se informar, vai facilmente perceber o que é e não é saudável
5. Teste o seu paladar: Ao fim de seis meses sem a bebida, torne a prová-la, verá que o seu sabor será bastante mais doce e metálico do que aquele que lhe dava prazer há meses atrás.

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

HIDRATOS DE CARBONO

Consumo moderado de hidratos de carbono favorece vida saudável e longa
180817. Por Lusa

O consumo moderado de hidratos de carbono favorece uma vida mais saudável e longa, segundo um estudo publicado na revista britânica 'The Lancet' e que foi liderado por Sara Seidelmann, do 'Brigham and Women's Hospital', nos Estados Unidos.

A investigação revelou que as dietas que substituem os hidratos de carbono por proteínas ou gorduras devem ser evitadas devido à sua possível ligação com "ciclos de vida mais curtos".

Consumir "hidratos de carbono com moderação parece ser ideal para a saúde e ter uma vida mais longa", dizem os especialistas citados pela agência de notícias espanhola Efe.

domingo, 5 de agosto de 2018

PENSAMENTOS CURAM

“Pensamentos curam mais do que remédios”, diz o cientista revolucionário Bruce Lipton
Transcrito de «Por Pensar Contemporâneo». 180805


 Bruce Lipton, biólogo celular americano de 70 anos, causou uma pequena revolução no mundo científico após o lançamento de seu livro “A Biologia da Crença“, em 2006, que foi declarado mais tarde como um dos melhores livros científicos e que abordava os conceitos de ciência e espírito.

Bruce Lipton levantou o seguinte: o que condiciona um organismo vivo é seu “ambiente” físico e energético, e não sua carga genética, como afirma a síntese evolutiva moderna e que os seres humanos, como organismos vivos, não eram determinados por seus genes, mas condicionados pelo meio ambiente e acima de tudo por causa de suas crenças, o que os convertia em donos absolutos de seu destino.

Para explicar, Lipton coloca o seguinte exemplo: “fizeram-nos crer que o corpo é uma máquina bioquímica controlada por genes sobre os quais não pode exercer qualquer autoridade. Isso implica que somos vítimas de uma situação. Nós não escolhemos esses genes, nós os recebemos no nascimento e eles programam o que vai acontecer.

Eu já trabalhei com células nos anos 60 e fui pioneiro porque naquela época havia muito poucas pessoas trabalhando nisso. E um experimento que fiz naquele tempo mudou a ideia que eu tinha do mundo. Eu peguei três grupos de células e coloquei em três pratos, e mudei o meio de crescimento e os componentes ambientais em cada um deles. Então verifiquei que em uma das placas se formou o osso, em outro músculo e, em outro, em células liposas. O que controlava o destino de cada uma delas se fossem geneticamente idênticas? Isso mostra que os genes não controlam tudo, é o ambiente. O ser humano é quem controla, dependendo de como ele lê o ambiente, como sua mente o percebe. A conclusão é que não somos limitados pelos nossos genes, mas pela nossa percepção e nossas crenças.

“Quando você acredita que os genes controlam sua vida, você tem uma desculpa para se considerar uma vítima. Existem doenças que, de fato, são causadas por um gene, mas essas doenças equivalem a menos de 2% do desconforto sofrido pela população mundial.

A maioria das pessoas vem a este mundo com genes que lhes permitam viver uma vida feliz e saudável. As doenças mais comuns atualmente, como diabetes, problemas cardíacos e câncer, são o resultado da interação entre múltiplos genes e especialmente fatores ambientais e não são o resultado de um único gene como foi mantido. É por isso que se acredita que a maioria das doenças tem uma causa genética ou hereditária e que, portanto, não podemos fazer nada para nos defender delas ou para curá-las.

As pessoas vivem com medo constante, aguardando o dia em que seus genes vão agir contra elas e adoecem mortalmente. Câncer é um bom exemplo disso “, acrescenta.

Os remédios, uma farsa

O cientista dedicou parte de seu livro para defender um novo tipo de medicamento, que leva em conta o poder da energia e sua capacidade de curar. “Eles nos dão remédios para a doença, mas na maioria das vezes causam mais problemas do que benefícios”.

A medicina baseada na farmacologia não compreende como toda a bioquímica do organismo está interrelacionada. Quando tomo uma pílula química e a insiro em meu corpo, ela não afeta apenas o lugar onde tenho o problema, mas afeta muitas outras coisas ao mesmo tempo. Estes são os chamados “efeitos colaterais”. Mas, na realidade, esses efeitos não são secundários, mas diretos.

De acordo com estatísticas recentes dos EUA, as drogas matam mais de 300.000 pessoas todos os anos! Há algo que não funciona na ciência médica. Ela faz algumas coisas bem, como traumatologia, mas está matando muito mais pessoas do que ajuda.”

Bruce Lipton acrescenta em seu livro que “se você olhar dentro do átomo, existem elétrons, prótons, nêutrons”. E o que tem dentro? Energia. A ciência mais recente indica que o corpo responde à física quântica, não à newtoniana. A mente é energia. Quando você pensa, você transmite energia; e os pensamentos são mais poderosos que a química. Isso, é claro, é muito inconveniente para as empresas farmacêuticas globais, porque, se esse postulado fosse aceito, não poderiam vender seus produtos.

As próprias crenças se tornam um campo de energia, uma transmissão, e isso é transformado em um sinal que é capaz de mudar o organismo. Afinal, era assim que a cura funcionava antes do desenvolvimento da medicina. Pessoas curadas com xamãs, com as mãos … mas isso não pode vender e é por isso que as empresas farmacêuticas não querem ir por esse caminho. Eles sabem que o pensamento positivo, o placebo, pode curar e também que o pensamento negativo pode matar. Se o médico lhe disser que você tem câncer, mesmo se você não tenha, se você acredita, você irá criar a química que causará o câncer”.

sexta-feira, 27 de julho de 2018

HABILIDADES PARA TER SAÚDE E SUCESSO

Cinco factores determinantes para ter saúde e sucesso (segundo a ciência) https://www.noticiasaominuto.com/lifestyle/1055953/cinco-fatores-determinantes-para-ter-saude-e-sucesso- 180727Por Liliana Lopes Monteiro

Afinal, qual é o segredo para uma vida plena e bem sucedida?

De acordo com os resultados de uma pesquisa científica britânica, publicados na revista científica PNAS, e partilhados pela BBC, a chave para o sucesso não reside sobretudo em aspectos como a educação, dinheiro ou inteligência, mas, sim, em certas 'habilidades para a vida' como o optimismo ou a persistência.

Um grupo de investigadores da University College de Londres examinou mais de oito mil homens e mulheres, de idades compreendidas entre 52 e 90 anos, o seu estilo de vida e como avaliavam as suas vidas.

O estudo concluiu que cinco capacidades específicas podem ser a chave para desfrutar melhor da vida:

- Estabilidade emocional;
- Determinação;
- Dedicação;
- Sensação de estar no controle;
- Otimismo.

Estes elementos são frequentemente chamados de habilidades ‘não cognitivas’, porque são características pessoais maleáveis, que não têm a ver com a capacidade intelectual das pessoas.

Os especialistas verificaram que uma pontuação mais alta nesses pontos estava por sua vez associada ao bem-estar social e pessoal, ao sucesso económico e à boa saúde nos adultos.

Os investigadores garantem que estimular e manter essas habilidades, não só na infância, mas também na idade adulta, pode ser crucial para uma vida e uma velhice mais plena.

De acordo com a mesma pesquisa, os indivíduos que alcançaram uma pontuação elevada em pelo menos quatro dos cinco atributos observados sofriam, em geral, de menos depressão, e tinham um círculo social mais amplo e mais dinheiro.

Por outro lado, os que pontuavam bem em apenas uma ou duas habilidades sofriam com mais solidão, maior ocorrência de depressão e maior probabilidade de desenvolver doenças crónicas.

Entre as cinco habilidades, no entanto, os académicos salientam que não há uma mais importante do que outra. E que os efeitos, na verdade, dependem da acumulação de várias capacidades.

terça-feira, 24 de julho de 2018

ALZHEIMER. EVITAR AÇÚCAR

Consumir café ou chá com açúcar mais que duplica o risco desta doença
180724. Por Liliana Lopes Monteiro

De acordo com um novo estudo, quem ingere diariamente duas colheres e meia de açúcar no café ou no chá apresenta uma probabilidade 54% maior de vir a sofrer de demência, comparativamente a quem consome essas bebidas sem qualquer adição.

Indivíduos que bebem regularmente sumos de fruta e refrigerantes também correm um risco significativamente mais elevado de virem a desenvolver aquela doença degenerativa, aponta a pesquisa inédita.

Um grupo de investigadores norte-americanos, da Universidade de Columbia, em Nova Iorque, analisou as dietas de 2,226 reformados e monitorizou esses voluntários durante cerca de sete anos.

Igualmente, colocar diariamente cerca de duas colheres e meia de açúcar nos cereais ou em bolos mostrou ter o mesmo risco de 54% de aumentar a predisposição de aparecimento de Alzheimer.

Quem consome mais de metade de uma lata de refrigerante diariamente tem também uma maior hipótese, de 47%, de vir a sofrer com aquela patologia, relativamente a quem consome menos de três latas e meia anualmente. E ingerir um ‘pequeno’ sumo por dia mostrou aumentar o risco em 27%.

A coordenadora do estudo, a professora Yian Gu, disse: “Os dados apurados sugerem que as bebidas com açúcar e outras com açúcar adicionado, assim como certos alimentos, podem aumentar o risco de Alzheimer”.

domingo, 22 de julho de 2018

CURE O CANCRO PRIVANDO-SE DE AÇÚCAR

Mate de fome o câncer eliminando apenas um só alimento
180722

O açúcar representa um grande risco para a saúde e contribui para a morte de milhões de pessoas no mundo todo a cada ano.

Tão alta é a toxicidade do açúcar que, para os pesquisadores da Universidade da Califórnia, em San Francisco, Estados Unidos, ele é uma substância potencialmente tóxica assim como o álcool e o cigarro.

Sua ligação com o aparecimento da diabetes é tão forte que deveria haver uma legislação rigorosa contra ele, como um imposto sobre todos os alimentos e bebidas que contêm esse "veneno".

Não por acaso, os pesquisadores da Universidade de Califórnia recomendam a proibição da venda de produtos com açúcar dentro ou perto de escolas, bem como a colocação de limites de idade sobre a venda de tais produtos.

Os efeitos nocivos do açúcar não param no diabetes.

O açúcar refinado está fortemente ligado ao câncer, não apenas como uma causa dele, mas também como algo que alimenta as células cancerosas quando uma pessoa tem a doença.

Pesquisadores do Huntsman Cancer Institute, em Utah, foram os primeiros a descobrir que o açúcar "alimenta" tumores.

Em um artigo publicado na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências, Don Ayer, Ph.D., professor no Departamento de Ciências Oncológicas da Universidade de Utah, disse: "É conhecido desde 1923 que células cancerosas usam muito mais glicose do que células normais. Nossa pesquisa ajuda a mostrar como esse processo ocorre e como ele pode ser interrompido para controlar o crescimento do tumor ".

Dr. Thomas Graeber, professor de farmacologia molecular e médica, investigou a forma como o metabolismo da glicose afeta os sinais bioquímicos presentes nas células cancerosas.

Na pesquisa publicada na revista Molecular Systems Biology, Graeber e seus colegas demonstraram que a fome de glicose, isto é, o ato de privar as células cancerosas de glicose, ativa um significativo circuito de amplificação metabólica que leva à morte dessas células.

A eliminação do açúcar, portanto, e de tudo que vire glicose no organismo (como pão, macarrão, arroz) poderia ser algo a ser adotado na tentativa de melhorar os resultados de tratamentos de câncer.

O aumento dos níveis de insulina é pró-inflamação e pró-câncer e pode promover a proliferação de células tumorais.

Os doutores Rainer Klement e Ulrike Kammerer realizaram uma revisão abrangente da literatura envolvendo carboidratos da dieta e seus efeitos diretos e indiretos sobre as células cancerosas, que foi publicado em outubro de 2011 na revista Nutrition and Metabolism.

Eles concluíram que as células cancerosas são tão sensíveis ao abastecimento de açúcar, que o corte da oferta dessa substância irá matar o câncer.

Por outro lado, "o aumento do fluxo de glicose promove diversas atividades no câncer, como proliferação excessiva, sinalização antiapoptótica, progressão do ciclo celular e angiogênese", concluíram os cientistas.

A doutora Christine Horner tem muito a dizer para as mulheres sobre a insulina e câncer de mama:

"Quando se trata de câncer de mama, a insulina não é amiga. Uma das principais razões é devido ao fato de tanto as células da mama normais como as cancerosas terem receptores de insulina sobre elas.

Quando a insulina se liga ao seu receptor, tem o mesmo efeito de quando o estrogênio se liga ao seu receptor: faz com que as células comecem a se dividir.

Quanto maior os níveis de insulina são, mais rápido suas células da mama vão se dividir; quanto mais rápido elas se dividirem, maior será o risco de câncer de mama é mais rápido será o desenvolvimento das células cancerosas".

A dra. Horner lembra um estudo realizado pela Harvard Medical School (2004) que constatou que as mulheres que, quando adolescentes, comeram mais alimentos com alto índice glicêmico, aumentaram seus níveis de glicose no sangue e, anos depois, apresentavam uma maior incidência de câncer de mama.

"Então, incentivar sua filha adolescente a cortar o açúcar vai ajudá-la a reduzir o risco de câncer de mama para o resto de sua vida", disse a doutora.

Em outro estudo da Universidade da Califórnia, que foi publicado na revista Cancer Research, os pesquisadores concluíram que qualquer pessoa que pretenda reduzir o risco de câncer deve começar por diminuir a quantidade de açúcar que ingere.

O dr. Anthony Heaney, principal autor do estudo, declarou: "A dieta moderna contém uma grande quantidade de açúcar refinado, incluindo frutose, que é um perigo oculto envolvido em muitas doenças modernas, tais como obesidade, diabetes e fígado gordo".

Especificamente sobre a frutose, outra ameaça, o pesquisador afirmou: "Os resultados mostraram que as células cancerosas podem facilmente metabolizar frutose, o que aumenta a proliferação delas".

O resumo de tudo é que o açúcar transforma o corpo em um terreno fértil para vírus, bactérias, fungos e câncer, devastando o sistema imunológico.

Sabendo que o câncer precisa de açúcar, faz sentido continuar comendo açúcar?

Faz sentido ter uma dieta rica em carboidratos?

O pior é que, para a maioria das pessoas com câncer em todo o mundo, não é oferecido qualquer terapia nutricional cientificamente orientada para a eliminação do açúcar, além de dizer a elas para "comer bons alimentos".

Este é um blog de notícias, não substitui o trabalho de um especialista. Consulte sempre seu médico.

UMA VERGONHA

Recebi por e-mail e transcrevo, na íntegra.

«Peço que leiam e percebam o ridículo a que este Estado chegou... É melhor criar já vistos gold para narco mexicanos...

«Se me dizem que é normal que haja uma barraquinha/um stand/um corner com funcionários do Ministério da Saúde a certificar a pureza da droga que se consome num festival de música eu não o aceito. Para mim isso não é normal. Não admito que a coca e o cavalo e o MDMA e outras merdas sejam consumidas com selo de qualidade do Estado.
Com uma espécie de garantia de origem. Ainda por cima a tal “parceria” com o Boom Festival é anunciada como “um suporte a experiências intensas”.

«Se os legisladores e governantes quiserem legalizar a produção, uso e comercialização das drogas (coisa com que eu até concordo em princípio) então que o assumam coerentemente e com seriedade. Agora colocar objetivamente o Estado a promover o consumo de droga, com o nosso dinheiro, precisamente na altura de maior míngua de recursos do SNS, contarão então com a minha feroz oposição cidadã. Há coisas muito sérias. E a toxicodependência é-o.

«Mas andar a meter o Estado em esquemas com organizações de festivais comerciais de música “e experiências intensas” que promovam uma espécie de free pass para mocas seguras e de qualidade não é ser sério. Não é governar. Não é sequer cuidar da saúde pública. É alinhar numa palhaçada.

«E muito pior: neste caso concreto é apoiar interesses inconfessáveis no âmbito de atividades que estão na fronteira da atividade criminal. Isto é, portanto objetivamente um caso de polícia: e como tal irei fazer competente participação ao Ministério Público. Sou contribuinte e utente do SNS: enquanto os velhos da aldeia dos meus pais estiverem a escassas dezenas de quilómetros desse festival a aguardar em listas de espera para consultas e cirurgias não admito que se gastem recursos para uns gajos se poderem drogar num festival à sua vontade.
«Ele há merdas que eu não admito. Droguem-se à vontade com o seu dinheiro. Com o meu é que não.»

sábado, 21 de julho de 2018

BANANAS. VERDES OU MADURAS ?

Bananas verdes e maduras têm benefícios distintos. Saiba quais escolher
180721. Por Liliana Lopes Monteiro


Alguns gostam das suas bananas verdes, outros maduras e outros bem mais que maduras. Mas sabia que todas as variantes deste fruto apresentam benefícios diferentes para a saúde?

De acordo com a nutricionista Rhiannon Lambert, em declarações à publicação The Daily Mail, apesar da banana ser uma excelente fonte de potássio e de outros nutrientes, as vantagens para o organismo de ingerir este fruto dependem do seu estado.

Bananas verdes têm menos açúcar

Se sofre de diabetes, deve então considerar comer bananas mais para o verde do que para o maduro. Isto porque à medida que a banana amadurece, o amido começa a transformar-se em açúcar.

“Várias pesquisas sugerem que nas bananas verdes, o amido constitui cerca de 80 a 90% do conteúdo de hidratos de carbono, o que à medida que aquela fruta amadurece se transforma em açúcares livres”, alertou Lambert.

Bananas maduras são mais fáceis de digerir

Bananas ligeiramente maduras são uma ótima opção para quem sofre de problemas digestivos.

A nutricionista explica: “Quando o amido mais resistente da banana se transforma em açúcar, mais fácil é para o sistema digestivo processar aquele alimento”.

Bananas ‘castanhas’ estão repletas de antioxidantes

Inicialmente a casca é verde porque está repleta de clorofila, um componente importante para a fotossíntese e que possui propriedades antioxidantes.

Ao amadurecer a clorofila da casca da banana ganha outras propriedades que aumentam ainda mais a produção e presença de antioxidantes naquela fruta.

“Comer uma banana totalmente castanha não é definitivamente para todos os gostos… porém, trata-se de uma fonte extremamente poderosa e potente de antioxidantes”, alerta Lambert.

quarta-feira, 18 de julho de 2018

CONTRA A BARRIGA INCHADA DOS EXCESSOS À MESA

Contra a barriga inchada dos excessos à mesa, é isto que deve comer
180718. Por Mariana Botelho

Há forma de contrariar o desconforto (e arrependimento) sentido após abusar no ‘deslize’ da dieta.

Todos temos dias de exageros, seja porque houve festa, é dia de pecar ou simplesmente porque é fim de semana. Mas dependendo do que come ou do seu tipo de organismo, a resposta do corpo pode comummente passar por barriga inchada, o que leva a uma sensação de grande desconforto.

Porque até os nutricionistas passam por momentos assim, é precisamente uma especialista em nutrição que sugere o que comer no dia a seguir à ‘festa’.

O principal a reter é evitar comidas que retenham muita água, ou seja, tudo o que seja salgado ou processado, bem como alimentos açucarados e álcool. A par destas principais diretrizes, a nutricionista Keri Glassman partilha um plano alimentar mais específico:

Pequeno Almoço: Deve beber bastante água. Mas como tal pode ser difícil, por parecer que incha mais, opte por água com limão. Vai ajudar a ‘puxar’ os fluidos extra que tem retidos no organismo. Ovos serão uma boa opção, já que têm o efeito de acelerar o metabolismo, que pode ser essencial nesta fase, a completar, opte por uma panqueca ou torrada integral – algo que o sacie e não tenha muitas calorias.

Lanche a meio da manhã: Os hidratos de carbono vão lhe reter mais água, o oposto do que se quer. Por isso, o melhor snack serão frutos secos e sementes.

Almoço: Para manter o sistema digestivo a funcionar bem, procure probióticos. Espargos são uma boa fonte, principalmente se acompanhar com salmão, que é rico em proteína e ómega 3, e deixa-o saciado.

Lanche a meio da tarde: Alcachofras. Demasiado ‘exótico’ para um lanche? Têm a capacidade de contrariar o efeito inchado além de outros problemas a nível de estômago, por isso devem ser o alimento preferido nos dias de barriga inchada.

Jantar: Foque-se nos diuréticos, para continuar a eliminar os fluidos extra, até ao final do dia. A nutricionista aconselha dentes-de-leão, um tempero indispensável para o conseguir. Por ser apenas um tempero, dá-lhe muito mais liberdade para decidir o que jantar. Mantenha-se na alimentação leve, pouco temperada, livre de sal e com poucos hidratos de carbono.

DEMÊNCIA VASCULAR

A seguir ao Alzheimer, este é o tipo de demência mais comum

180718. Por Mariana Botelho

Falamos da demência vascular, um problema que afeta grande parte da população idosa.

É raro em indivíduos com menos de 65 anos, mas a partir desta idade, a demência vascular pode acontecer aquando de uma redução do aporte de oxigénio e nutrientes no cérebro, através do sangue, essenciais ao seu bom funcionamento.

Tal acontece quando o sistema vascular, por onde tais nutrientes são transportados é quebrado ou bloqueado. O motivo pode ser simplesmente a idade.

Diz o Mirror que o risco deste tipo de demência duplica a cada cinco anos, após os 65 anos, mas há mais fatores que aumentam o risco como ataque cardíaco, diabetes ou AVC ou mesmo aumento de peso e colesterol alto.

Por todos estes sintomas, depreende-se que uma vida saudável, onde o exercício físico está presente assim como a alimentação equilibrada e o consumo de álcool é apenas moderado, será o primeiro passo para evitar este comum problema.

Por se apontar a pressão arterial, medicação que o contorne é também uma boa solução o que permite concluir que a grande prevalência da demência vascular deve-se, principalmente, à falta de informação.

Por fim, e embora se saiba a origem do problema, ao contrário do que acontece no Alzheimer, os sintomas são semelhantes e passam por esquecimento e dificuldade em falar, pensar e racionalizar.

sexta-feira, 13 de julho de 2018

AMARANTO. PARA EMAGRECER E...

Nove razões para comer amaranto: O alimento versátil que emagrece
180713. Por Liliana Lopes Monteiro

Este alimento, ainda desconhecido por muitos, é sobretudo utilizado em dietas vegetarianas e sem glúten.

© istock

De acordo com a publicação Dicas de Mulher, o amaranto é, na verdade, um 'pseudocereal', ou seja, não é exatamente um grão de cereal, como o trigo ou a aveia, mas contém nutrientes semelhantes aos encontrados nos cereais.
Saiba mais sobre sua composição nutricional e todos os benefícios que trás para a sua saúde.

Nove razões para conhecer e consumir o amaranto diariamente:

1. Valor nutricional

De baixo teor calórico, cada 50 gramas contém 45 calorias, é rico em ferro, potássio, magnésio, fósforo, e fibras.

2. Não tem glúten

O amaranto é ótima opção alimentar para quem sofre de intolerâncias e nomeadamente de doença celíaca. Versátil, o amaranto pode ser introduzido em diversos tipos de receitas.

3. Aliado do cérebro

Fonte de manganês, o amaranto é extremamente importante para a manutenção de uma ótima função cerebral, podendo proteger contra certas condições neurológicas.

4. Excelente para a saúde dos ossos

Rico em fósforo e cálcio, o amaranto contribui para a boa saúde óssea, e pode ajudar a prevenir o aparecimento da osteoporose.

5. Aliado da digestão

Contribui para a otimização do sistema digestivo. Fonte de fibras, ajuda a combater a prisão de ventre e também a aumentar a absorção de nutrientes no organismo.

6. Ajuda na perda de peso

Com alto teor de proteínas e fibras, o amaranto é um bom aliado para quem quer perder aqueles quilos a mais. Ajuda na saciedade, na digestão e no bom funcionamento do intestino.

7. Aliado do coração

Os níveis de potássio encontrados no amaranto, contribuem para a ótima saúde do coração. Além disso, o amaranto ajuda a regular os níveis de colesterol e é rico em ferro, ajudando desta forma o organismo no processo de produção de sangue.

8. Fonte de antioxidantes

O amaranto é ainda rico em antioxidantes, que protegem o organismo contra os radicais livres, ajudando assim a evitar o envelhecimento precoce e o surgimento de doenças crónicas, como patologias cardíacas e cancro.

9. Melhora o sistema imunitário

Fonte de vitamina C, o amaranto contribui para a melhoria do funcionamento imunitário, melhorando a saúde geral do organismo.

Diga sim ao amaranto e sinta-se bem!

quarta-feira, 11 de julho de 2018

EFEITO DO CALOR


Espaços quentes e sem ar condicionado fazem isto ao seu cérebro...
180711. Por Liliana Lopes Monteiro

De acordo com um novo estudo, conduzido por investigadores da Universidade de Harvard, as crianças e os empregados de escritório necessitam de estar em espaços com sistemas de arrefecimento apropriados, sobretudo durante os meses mais quentes, de modo a alcançarem e manterem um bom desempenho.

A nova pesquisa confirma o que há muito se suspeitava – as vagas de calor ‘fritam o cérebro’.

Para efeitos daquele estudo, o grupo de cientistas norte-americanos observou um grupo de estudantes durante um período temporal prolongado de calor, examinando a performance dos indivíduos que viviam em dormitórios com ar condicionado, comparativamente a outros que habitavam em espaços sem qualquer meio de arrefecimento artificial.

Os investigadores apuraram que os participantes que viviam em edifícios quentes atingiram um nível de desempenho medíocre na resolução de problemas e realização de testes de memória, relativamente aqueles que desfrutavam de ar condicionado.

Os dados apurados neste estudo, e noutras pesquisas prévias, sugerem que os seres humanos trabalham melhor quando experienciam uma temperatura ambiente ótima, e os investigadores recomendam, quando possível, a integração de sistemas de ar condicionado sustentáveis e amigos do ambiente em espaços fechados.

“Isto aplica-se sobretudo às crianças na escola e aos empregados de escritório – muitas vezes notamos que os níveis de temperatura estão demasiado elevados devido à inexistência de ar condicionado”, disse o coordenador do estudo, à publicação britânica The Independent, o professor catedrático Jose Guillermo Cedeno-Laurent.

Pesquisas realizadas anteriormente examinaram sobretudo o efeito do tempo quente na saúde física e mental dos indivíduos mais vulneráveis da sociedade, nomeadamente entre os idosos e as crianças.

E tal, segundo Cedeno-Laurent, criou a falsa impressão de que a pessoa comum não é afetada pelas vagas de calor.

segunda-feira, 9 de julho de 2018

APNEIA DO SONO E SEUS INCONVENIENTES



Apneia do sono priva cérebro de oxigénio e provoca demência
9/7/2018. Por Liliana Lopes Monteiro

A condição que faz com que os músculos da garganta relaxem e fechem, e que provoca dificuldades respiratórias, foi associada à redução de determinadas zonas do cérebro, conhecidas por desempenharem um papel fundamental na memória e no processo de aprendizagem.

De acordo com uma equipa de investigadores australianos, a privação de oxigénio provocada pela incidência de apneia do sono pode provocar a redução de certas partes do cérebro e contribuir para o desenvolvimento de demência.

O novo estudo apurou que quem sofre de apneia obstrutiva do sono apresenta uma diminuição na espessura dos lóbulos temporais, e tem um pior desempenho em testes de memória.

Agora aquela equipa de cientistas, da Universidade de Sydney, afirma que um diagnóstico precoce e atempado da apneia poderá ajudar a prevenir a deterioração da memória dos afectados, através da oferta de tratamentos que protejam as vias respiratórias destes indivíduos enquanto dormem.

“Os dados apurados sugerem que devemos apostar num diagnóstico precoce”, disse a professora e coordenadora da pesquisa Sharon Naismith. “Os médicos devem perguntar continuamente aos pacientes que sofrem de apneia acerca do estado da sua memória e celeridade de raciocínio, e se necessário realizar testes que testem essas capacidades”.

A apneia do sono torna-se mais comum à medida que se envelhece, e entre os indivíduos que sofrem de obesidade, tornando por sua vez essas pessoas mais propensas a sofrerem de hipertensão e de diabetes – todos eles factores associados com o desenvolvimento de demência.

Para aquela pesquisa, publicada no periódico científico European Respiratory Journal, os investigadores recrutaram 83 voluntários, de idades compreendidas entre os 51 e os 88 anos, que tinham previamente consultado um médico devido a problemas de memória e alterações frequentes de humor, que podem ser um sinal precoce de demência.

sexta-feira, 6 de julho de 2018

HIPERTENSÃO. OITO SINAIS

Sofre de hipertensão? Oito sinais aos quais deve estar atento
180706. Por Liliana Lopes Monteiro

É crucial que esteja atento à ocorrência de quaisquer sintomas associados à pressão alta. Não coloque a sua saúde em risco.

Estima-se que pelo menos um terço dos indivíduos que sofrem com hipertensão, desconheçam que são afetados por essa condição.

A circulação do sangue, que tem por destino chegar a todos os tecidos e células do organismo, implica que haja alguma pressão sobre as paredes das artérias. Esta pressão, que é normal e até essencial para que o sangue atinja o seu destino, é chamada de ‘tensão arterial’.

Existem, no entanto, uma série de fatores, de ordem genética ou ambiental, que podem fazer com que esta pressão sobre as paredes das artérias aumente em excesso. Nesses casos estamos, então, perante um cenário de hipertensão.

A patologia afeta um em cada três adultos, porém quando se está atento aos possíveis sintomas o problema não tem que ser necessariamente fatal.

Em Portugal existem cerca de dois milhões de hipertensos – será que é um deles?

Eis os oito sinais que não deve ignorar e aos quais deve estar atento:

1. Dores de cabeça – a circulação do sangue associado à pressão alta pode provocar enxaquecas;
2. Tonturas – o aumento ou a diminuição da pressão sanguínea faz com que o coração tenha que trabalhar mais arduamente, causando tonturas;
3. Visão turva – o nervo ótico, localizado por trás do olho, pode ser afetado pela hipertensão;
4. Náuseas e vómitos – a pressão alta tende a perturbar o bom funcionamento do sistema digestivo;
5. Dores no peito – o coração trabalha mais rápido e arduamente do que o habitual;
6. Falta de ar – perturbações na circulação podem causar dificuldades respiratórias;
7. Hemorragias nasais – os vasos sanguíneos no nariz podem inchar e implodir;
8. Tez corada, suores e nervos – a incidência de pressão alta pode causar ataques de pânico.

Como se trata a hipertensão?

São várias as opções para quem pretende reduzir a tensão arterial, incluindo praticar exercício físico regularmente, adotar uma dieta equilibrada e a manutenção de um peso saudável.
Consumir sal em excesso é um dos principais fatores de risco – esteja atento e se necessário procure um médico!