Bem Vindos !

Quando era criança, na minha aldeia, ouvia com frequência a expressão dos mais simples objectivos das pessoas «haja pão e coza o forno». Realmente, havendo «saúde e alimentação», tudo acaba por ser resolvido. Decidi, por isso, guardar neste espaço, tudo o que estiver guardado nos blogs a que tenho acesso e o que venha a obter sobre este tema, com a convicção de que a saúde depende muito da alimentação e do estado de espírito. (A.João Soares)

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Filhós de Natal


Ingredientes:

20 grs de fermento de padeiro
1 dl de leite
750 grs de farinha de trigo
1 colher de chá de sal
8 ovos
1 dl de azeite
1 dl de aguardente bagaceira
azeite para fritar
300 grs de mel
1 dl de água
açúcar q.b.
canela para polvilhar

Confecção :

Dissolve-se o fermento no leite morno e junta-se-lhe um pouco de farinha e o sal.
Mistura-se de modo a obter uma massa branda.
Deixa-se repousar durante 15 minutos.
Deita-se a massa num alguidar, adiciona-se um pouco de azeite e três ovos batidos.
Mistura-se tudo bem, batendo com a mão aberta.
Depois, juntam-se o restante azeite, a aguardente e os ovos que restam, amassando, ou melhor, batendo a massa.
Esta deve ficar mais branda do que para o pão.
Sendo necessário, adiciona-se um pouco de leite.
Abafa-se a massa e deixa-se levedar durante 4 horas em local temperado.
Depois, põe-se o azeite no lume e com as molhadas em azeite tiram-se bocados de massa do tamanho aproximado de um ovo, estica-se a massa numa rodela o mais fina possível, fazendo-lhe buracos com as pontas dos dedos.
Introduz-se os filhós no azeite e, com um garfo comprido, força-se a manter a forma para os lados, esticando-a, pois a sua tendência será de crescer para cima.
Depois de loura dos dois lados, põe-se a escorrer sobre papel absorvente.
Isto deve ser feito com muita cautela, pois as filhós apresentam-se finas e esburacadas.
Frita toda a massa, deita-se o mel com a água num tacho e deixa-se levantar fervura.
Reduz-se o calor e, com ajuda de 2 garfos compridos, passam-se as filhós pela a calda, ao mesmo tempo que se vão introduzindo em travessas ou panelas e polvilhando com açúcar e canela.
Pode omitir-se a calda.
Ao contrário do que acontece habitualmente com os fritos, estas filhós ficam mais tenras à medida que os dias passam.

Nota: Esta massa pode levar abóbora. Isto acontece na Beira Baixa muito frequentemente.
Neste caso, deve reduzir-se o número de ovos.

Não esquecer que a ingestão de fritos deve ser controlada.

Receita oferecida pela amiga e colega bloguista

7 comentários:

Graça disse...

Meu caro João:

Há algum tempinho visitei seu blog, mas por algum motivo não me tornei sua seguidora, o que faço hoje.

O que me traz aqui pode ser um fato inédito para você, meu amigo: há algum tempo, venho procurando um estudo que pudesse servir de base científica para o meu Projeto Adormecer e Acordar Palavras.

E encontrei aqui, justamente no seu 'pão e saúde'!
Tomei a liberdade de publicar suas palavras (28 de novembro, "A saúde depende dos pensamentos e das palavras") e tive o cuidado de colocar o nome e link do seu blog, fique tranquilo.

A propósito, gostaria de convidá-lo a dar uma olhada nesse post que está em
botoesmadreperola.blogspot.com

Seja bem-vindo!
Com votos de um Feliz e Santo Natal, agradeço a indireta contribuição!

Fernanda disse...

Querido amigo João,

Falta um bocadinho do texto, pode até ser culpa minha quando lhe mandei o e-mail.

Neste caso, deve reduzir-se o número de ovos.

Obrigada por sempre referenciar o meu nome.

Beijinhos

Graça disse...

Hummmmmmmmmm

Esse 'filhós' da Ná... me deixou com água na boca...
Vou copiar.E fazer, é claro!

Grata.

A. João Soares disse...

Querida Ná,

O erro está corrigido. Quando o tempo é escasso, nem há tempo para rever o trabalho!!!
Obrigado pelo alerta.

Beijos
João

A. João Soares disse...

Querida Graça,

Ainda bem que gosta das receitas da nossa amiga Ná. É a maior amiga deste espaço, como se vê, pela autoria dos posts.
A Graça, como gosta destes temas, pode enviar-me por e-mail (endereço no meu perfil) algo que conheça sobre cuidados práticos de saúde, produtos naturais, alimentação saudável, etc. Fico grato por esse gesto.

Beijos
João

Fernanda disse...

Querido João,

Os meus votos de Feliz Natal.
Depois falamos em casa...

O Natal não é somente
Celebrar solenemente
A data mais conhecida.
Natal é qualquer momento
De amor e sentimento
Que ilumina a nossa vida.

É o dar sem receber
É no coração conter
Dimensão de caridade.
É dar esmola ao mendigo
Ajudar os sem abrigo
Com franca fraternidade.

Natal é p’ro ser humano
Qualquer altura do ano
Em que visita um doente.
Quando aos fracos dá a mão
E aos tristes em solidão
Ou conforta alguém ausente.

Natal é a força maior
A grande lição de amor
Que o Homem deve saber
Sem grandes filosofias
Natal é todos os dias
Quando o queiramos fazer !...

Beijinhos,

A. João Soares disse...

Querida Amiga Ná,

O meu cérebro ficou bloqueado com os neurónios incapazes de estabelecer as sinapses indispensáveis para que o software consiga funcionar. É só que fiquei surpreendido com os seus dotes de poeta que ignorava.
Esta é a melhor surpresa de Natal.
«O que mais me irá acontecer???!!!»
Mas concordo com aquilo que aqui defende com tanta elegância.
É o espírito do Sempre Jovens com toda a sua clareza.
Espero termos um 2010 com grande brilhantismo!!!

Beijos
João