Bem Vindos !

Quando era criança, na minha aldeia, ouvia com frequência a expressão dos mais simples objectivos das pessoas «haja pão e coza o forno». Realmente, havendo «saúde e alimentação», tudo acaba por ser resolvido. Decidi, por isso, guardar neste espaço, tudo o que estiver guardado nos blogs a que tenho acesso e o que venha a obter sobre este tema, com a convicção de que a saúde depende muito da alimentação e do estado de espírito. (A.João Soares)

sexta-feira, 8 de maio de 2015

CONSUMO DE ÁLCOOL E O ENVELHECIMENTO

Consumo moderado de álcool à refeição
(Recebido por e-mail sem indicação de autor)

O que a pesquisa certamente constatou, mas não publicou por medo do tal de "politicamente correcto", é que os que bebem mais que moderadamente mostram sinais inequívocos de regeneração contínua de neurónios e sinapses, memória de curto e longo prazos melhores que dos "placebos", rapidez de raciocínio e reacções. Isto deve-se ao fato de que a pulsação acelerada e de mais intensidade tanto remove melhor o lixo neural quanto envia mais células tronco da medula óssea para o cérebro e para todos os órgãos vitais.

Os Idosos que ingerem álcool têm menos chance de ter demência e Alzheimer!

Segundo o jornal britânico Daily Mail, pesquisadores descobriram que idosos que bebem uma quantidade moderada de álcool possuem 30% menos probabilidade de desenvolver demência e 40% menos chances de sofrer de Alzheimer do que aqueles que não consomem esse tipo de bebida.

Os cientistas pesquisaram idosos com 75 anos ou mais que gostam de beber uma cerveja por dia ou um copo de vinho.

A equipe do instituto estudou mais de 3.000 pessoas nessa idade – elas estavam livres de demência no começo do estudo.
Os pacientes foram examinados duas vezes a cada 18 meses.
De acordo com um dos professores responsáveis pela pesquisa, Siegfried Weyerer, 217 idosos apresentaram sintomas de demência no decorrer do estudo. Aqueles que consumiam álcool tinham cerca de 30% menos de demência e 40% menos de Alzheimer do que os idosos que não consumiam nada.

Segundo os pesquisadores, não foram observadas diferenças significativas de acordo com o tipo de bebida alcoólica consumida.

Nos últimos 31 anos, a associação entre o consumo moderado de álcool e a função cognitiva foi investigada em 71 estudos envolvendo 153.856 homens e mulheres de várias locais com diferentes padrões de consumo.

Segundo o médico Harvey Finkel, do Centro Médico da Universidade de Boston, "a idade não é razão para abstinência".

É preciso lidar com pessoas idosas viciadas no álcool com mais responsabilidade do que com os jovens.

Mas eles podem tirar mais benefícios para a saúde do consumo moderado do álcool.

Sem comentários: