Bem Vindos !

Quando era criança, na minha aldeia, ouvia com frequência a expressão dos mais simples objectivos das pessoas «haja pão e coza o forno». Realmente, havendo «saúde e alimentação», tudo acaba por ser resolvido. Decidi, por isso, guardar neste espaço, tudo o que estiver guardado nos blogs a que tenho acesso e o que venha a obter sobre este tema, com a convicção de que a saúde depende muito da alimentação e do estado de espírito. (A.João Soares)

domingo, 9 de maio de 2010

Arroz de Forno à Antiga

Gastronomia - Cozinha Tradicional

A propósito de cozinha tradicional, Fialho d’Almeida, num famoso texto do 3º volume de “Os Gatos”, pronuncia-se sobre o que é o prato nacional:

“Uma composição culinária, característica, inconfundível. Transmite-se por tradição: os estrangeiros não sabem confeccioná-lo, mesmo naturalizados: tendo chegado até nós por processos lentos, e contraprovas de biliões de experimentadores, sucessivamente interessados em o fixar de forma irrepreensível, resulta ser ele sempre uma coisa eminentemente sápida e sadia. Isto o distingue dos pratos “compostos”, quero dizer daquelas mixórdias de comestíveis e temperos, doseados a poder de balança, exclusivamente científicas, nada intuitivas e meramente inventadas.
O prato nacional é como o romanceiro nacional, um produto do génio colectivo: ninguém o inventou e inventaram-no todos: vem-se ao mundo ido por ele, e quando se deixa a pátria, antes de pai e mãe, é a primeira coisa que se lembra.
Em Portugal não há província, distrito, terra, que não registe entre os monumentos locais, a especialidade de um petisco raro, sábio, fino, verdadeira sinfonia de sabores sempre sublime.

In "À Mesa com Fialho de Almeida"

Arroz de Forno à Antiga


Ingredientes:
Para 8 a 10 pessoas

* 500 g de carne de vaca
* 200 g de carne de porco ou um pedaço de presunto
* 1 chouriço de carne ou meio salpicão
* meia galinha
* 2 cebolas
* salsa
* 1 kg de arroz
* sal e pimenta
* 1 colher de chá de açafrão

Confecção:
Põe-se ao lume uma panela com 2 litros de água. Deixa-se levantar fervura e, nessa altura, introduzem-se as carnes, uma cebola às rodelas e a salsa . Depois de tudo cozer muito bem (cerca de 1 hora), côa-se o caldo e juntasse-lhe o açafrão dissolvido num pouco de água fria. Junta-se ainda uma cebola ás rodelas e um ramo de salsa.
Deita-se o caldo num alguidar de barro preto e leva-se ao lume. No momento em que começar a ferver, juntasse-lhe o arroz, que deve ser de muito boa qualidade. Deixa-se levantar fervura rapidamente e com o lume forte, introduzindo-se em seguida no forno até secar.

Fernanda Ferreira (Ná)

3 comentários:

A. João Soares disse...

Querida Ná,

Mais uma jóia preciosa e esta pela mão de um mestre de culinária e da literatura. Aqui saboreia-se o que é bom. É um ponto de passagem obrigatória para quem preza a alimentação boa e saudével. Com bons conselhos todos poderão ir muito além dos 100 anos e acabar saudáveis.

Beijos
João
Só imagens

Fernanda disse...

Querido amigo João,

Acabei agora de publicar uma sobremesa leve que cai muito bem depois deste arrozinho.

Temos que nos tratar bem.
Sabe que este amigo e já seguidor me enviou uma lista extensíssima de vários pratos maravilhosos.

Temos é que ir vendo quais são os mais saudáveis, para ver se chegamos bem longe e saudáveis.

Beijinhos

A. João Soares disse...

A T E N Ç Ã O

AS IMAGENS QUE DESAPARECERAM NOS POSTS DESTA COLABORADORA DEVEM-SE, PROVAVELMENTE, A UM «LAPSO» DELA.
Pedimos paciência aos amigos visitantes.

Cumprimentos
João