Bem Vindos !

Quando era criança, na minha aldeia, ouvia com frequência a expressão dos mais simples objectivos das pessoas «haja pão e coza o forno». Realmente, havendo «saúde e alimentação», tudo acaba por ser resolvido. Decidi, por isso, guardar neste espaço, tudo o que estiver guardado nos blogs a que tenho acesso e o que venha a obter sobre este tema, com a convicção de que a saúde depende muito da alimentação e do estado de espírito. (A.João Soares)

segunda-feira, 1 de julho de 2013

Doença de Alzheimer revertida pela primeira vez


Doença de Alzheimer revertida pela primeira vez
Um grupo de investigadores conseguiu reverter pela primeira vez a doença de Alzheimer. A equipa de cientistas canadianos usou uma técnica de estimulação cerebral profunda que pôs um travão à doença.
 
Passados 12 meses não há quaisquer sinais de permanência ou até mesmo regresso da doença de Alzheimer nos seis pacientes que constituíram a amostra do estudo, apresentado em Novembro de 2011 numa conferência da Society for Neuroscience mas só agora publicado numa revista científica.

Em dois deles, a deterioração da área do cérebro associada à memória não só deixou de encolher, voltando ainda a crescer e a aumentar de tamanho. Nos restantes quatro pacientes, o processo de deterioração desta região do cérebro parou por completo.
 
Segundo a equipa de investigadores da Universidade de Toronto, liderada por Andres Lozano, nas pessoas portadoras de Alzheimer, a região do hipocampo é uma das primeiras a ser afectada e a reduzir o seu tamanho.
 
Uma vez que o centro de memória funciona nessa área do cérebro, há uma grande alteração a esse nível: as memórias de curto prazo são convertidas em memórias de longo prazo. Por isso mesmo, a degradação do hipocampo é aquilo que revela os primeiros sintomas da doença, nomeadamente a perda de memória e a desorientação.
 
Vários exames cerebrais feitos a pacientes com Alzheimer dão a conhecer que o lobo temporal (região do cérebro onde se encontra o hipocampo e o córtex cingulado posterior) absorve muito menos glicose do que o normal, daí o seu mau funcionamento e consequente degradação.
 
Por forma a reverter este quadro degenerativo, Lozano e a equipa recorreram a uma técnica de estimulação cerebral, que envia pequenos impulsos eléctricos (130 vezes por segundo) para o cérebro através da implantação de eléctrodos.
 
Os dispositivos foram implantados junto do fórnix -  aglomerado de neurónios que envia sinais para o hipocampo - dos pacientes em estudo, diagnosticados com Alzheimer há pelo menos um ano.
 
Agora, passado um ano desde o início da investigação, os testes mostram que a redução de glicose foi revertida e que o lobo temporal voltou a funcionar correctamente.
 
As conclusões do estudo, publicado no jornal científico "Annals of Neurology", podem conduzir a novos caminhos para tratamentos da doença de Alzheimer, uma vez que a doença foi, pela primeira vez, revertida.
 
Ainda assim, os cientistas admitem que a técnica ainda não é definitiva que é preciso fazer uma maior pesquisa, pelo que vão iniciar um novo teste, desta vez com 50 pessoas portadoras de Alzheimer.

Clique AQUI para saber mais sobre o estudo e AQUI para conhecer o líder da investigação.

fonte: Boas Notícias

1 comentário:

A. João Soares disse...

Amiga Fê,

Obrigado por aqui trazer mais uma novidade dos avanços científicos em saúde.
Esta descoberta pode trazer inconvenientes em Portugal devido aos vícios do regime. Agora temos em funções uma grande quantidade de reformados, mais ou menos idosos. Com a cura do Alzheimer, teremos governantes e presidentes centenários que vivem segundo as teorias e realidades do início do século anterior!!! E dado qie alguns governantes nos fazem análises, previsões e promessas de que se esquecem a muito curto prazo, será conveniente submetê-los aos tratamentos experimentais com a implantação junto do fórnix, na região do hipocampo, para uma estimulação cerebral profunda com impulsos eléctricos.

Mas, cá para nós, como este processo está ainda em investigação e demorará a ser aplicado correntemente, a muitos dos casos atrás referidos, seria mais seguro e definitivo o uso da cadeira eléctrica, já muito aperfeiçoada e eficaz...

Enfim, dseculpe este devaneio de uma tarde quente de verão!!!

Beijos
João