Bem Vindos !

Quando era criança, na minha aldeia, ouvia com frequência a expressão dos mais simples objectivos das pessoas «haja pão e coza o forno». Realmente, havendo «saúde e alimentação», tudo acaba por ser resolvido. Decidi, por isso, guardar neste espaço, tudo o que estiver guardado nos blogs a que tenho acesso e o que venha a obter sobre este tema, com a convicção de que a saúde depende muito da alimentação e do estado de espírito. (A.João Soares)

quinta-feira, 16 de junho de 2016

RISCO DAS BEBIDAS QUENTES




O risco das bebidas quentes
260616, PorCARLA MARINA MENDES cmendeso@destak.pt

Estudo confirma que não é o tipo de bebida, mas sim a temperatura que pode causar cancro do esófago.

A boa notícia da última investigação de um grupo de cientistas internacionais, criado pela Agência Internacional de Investigação do Cancro (IARC), da Organização o Mundial da Saúde, é que beber café não está entre os fatores de risco para o cancro do esófago. A má é que as bebidas muito quentes (a cerca de 70º C) podem causar a doença. E o café está aqui incluído.

Publicada ontem na revista The Lancet Oncology, a investigação não encontrou evidência conclusiva sobre os efeitos carcinogénicos do café. Mas conclui que ingerir bebidas muito quentes pode causar este tipo de cancro. Ou seja, «é a temperatura, em vez da bebida em si, que tem a responsabilidade», confirma em comunicado Christopher Wild, diretor do IARC.

Um resultado que não surpreende os especialistas. Contactada pela agência Lusa, a Sociedade Portuguesa de Gastroenterologia refere que esta é a confirmação de uma «fortíssima suspeita» que já existia há algum tempo. José Cotter refere mesmo que, no ensino universitário de Medicina, era já habitual apontar o exemplo da população inglesa, onde é elevada a prevalência de cancro do esófago e que tem o hábito de beber chá muito quente.

Recorde-se que este é o oitavo tipo de cancro mais comum em todo o mundo e uma das principais causas de morte por esta doença. Em 2012, roubou a vida a 400 mil pessoas (5% de todas as mortes por cancro).

Sem comentários: