Bem Vindos !

Quando era criança, na minha aldeia, ouvia com frequência a expressão dos mais simples objectivos das pessoas «haja pão e coza o forno». Realmente, havendo «saúde e alimentação», tudo acaba por ser resolvido. Decidi, por isso, guardar neste espaço, tudo o que estiver guardado nos blogs a que tenho acesso e o que venha a obter sobre este tema, com a convicção de que a saúde depende muito da alimentação e do estado de espírito. (A.João Soares)

domingo, 17 de janeiro de 2010

Zumbido nos ouvidos


Transcrição :

Correio da Manhã. 17 Janeiro 2010

Ouvidos: Médicos aconselham rastreio

De repente, tudo muda e onde havia silêncio passa a existir um barulho constante. Primeiro o doente estranha, mas depois o zumbido nos ouvidos entranha-se. É uma consequência de disfunções no aparelho auditivo, que nos casos mais severos pode ter profundas consequências no bem-estar dos doentes.

"Têm uma péssima qualidade de vida e tornam-se muito irritáveis. É um doente pouco predisposto para viver de forma alegre", disse ao CM Luís Meireles, chefe do Serviço de Otorrinolaringologia do Hospital de Santo António, no Porto.

"Os casos mais dramáticos são aqueles cujo ruído é tão intenso, que lhes perturba o seu dia-a-dia", acrescenta.

O som que não sai da cabeça ganha diversos tons. Pode ser um apito ou o barulho da água de chuveiro, mas há quem fale do esvoaçar de um insecto ou de um frigorífico a trabalhar. Independentemente da forma, é a intensidade e a constância que os tornam, em alguns casos, insuportáveis.

Mas mesmo nos casos mais complicados, Luís Meireles defende que há factores que ajudam a controlar os sintomas. O doente deve manter-se calmo e o médico deve explicar o que lhe está a acontecer.

"Podemos obter sucesso quando depois de excluir, com exames, as situações perigosas, o doente aceita o que tem e consegue viver com o ruído. Não entra em conflito interno e enquadra os sintomas", garante o especialista. "No entanto, há pessoas que não o conseguem fazer e o zumbido ganha maior expressão. São os casos mais dramáticos", sublinhou.

O ruído no ouvido tem como pior causa o tumor cerebral, mas em 80 por cento dos casos há solução. "O zumbido, na maior parte dos casos, tem tratamento. Se o problema se situar no ouvido médio ou externo a resolução é fácil. Já no ouvido interno, há casos em que nada podemos fazer", conclui o médico.

Nos casos mais simples, uma limpeza ao aparelho auditivo e a remoção do rolhão de cerúmen (cera) é suficiente para resolver o problema. Também as infecções devido à entrada de água, durante o período balnear, são causas frequentes.

As Causas

Otológicas - As otites, o rolhão de cerúmen (cera nos ouvidos) e a exposição permanente ao ruído são causas de zumbido.

Metabólicas - Doenças como a hipertensão, diabetes ou vasculares provocam alterações das células e há uma perda de audição.

Fármacos - Há uma lista de mais de 70 medicamentos que podem ter como efeito secundário o ruído nos ouvidos.

Vícios - O tabaco, o álcool e a cafeína em excesso são estimulantes que podem agravar os efeitos nefastos da patologia.

Discurso directo

"Dar apoio ao doente": Luís Meireles, especialista de Otorrinolaringologia
Correio da Manhã – Como se pode ajudar um doente com um grau severo de zumbido?
Luís Meireles – Em algumas situações não podemos dar ao doente uma cura, mas se lhe dermos apoio, alguma envolvência, parece que sai da consulta um pouco mais confortável.
– O que aconselha para diminuir a intensidade do ruído?
– Há pessoas com grandes dificuldades em dormir mas pequeninos truques como um rádio ou uma televisão num volume muito baixinho, podem ajudar a suportar.
– As perturbações do sono podem ser muito graves?
– Às vezes temos de dar um tranquilizante ao doente para poder dormir. Mas ainda assim há os que acordam a meio da noite e têm dificuldade em adormecer.

A importância de tranquilizar - É importante que o médico explique ao doente que o zumbido não é uma ameaça para a sua vida. Uma palavra de conforto pode ser de vital importância para que o doente possa ter um quotidiano com qualidade de vida.

20 por cento são casos graves - Vinte por cento dos casos de zumbido são considerados graves, com sofrimento associado. Nem sempre a intensidade do ruído é determinante. A ansiedade, bem como o stress podem ser agravantes do problema.

Ouvido interno castiga mais - Os casos em que o zumbido se localiza no ouvido interno são os de mais difícil solução para os médicos. Normalmente, são situações irreversíveis. A surdez sensorial que ali surge, tem depois como consequência o ruído.

Mascarar o ruído - Um aparelho de música pode ser muito útil para mascarar o som que pode ser desesperante para o doente.

Discoteca prejudica - Um estudo científico provou que depois da exposição ao som em discotecas há perdas ligeiras de audição.

Despistar tumores - Para despistar as causas mais graves de zumbido nos ouvidos, os tumores, há que fazer um TAC ou uma ressonância.

2 comentários:

Anónimo disse...

Foi boa a explicação o difícil é saber o q nos causa esse chiado q não sabemos dizer se vem do ouvido ou da cabeça!Sofremos muito!Nos maltrata!Depois que bati a cabeça no galho da árvore daqui de casa,o galho cedeu lentamente e custei perceber,já sabia mas um dia voltei rapidamente para pegar algo q esqueci,desci do carro rápido e bati com muita força a minha cabeça contra o galho,no momento não passei mal,senti dor,mas depois de uns 15 minutos senti náusea e não podia abaixar a cabeça e dês de então fiquei com chiado forte!Dor de cabeça por muito tempo e tomava ibuprofeno por conta.E até agora estou assim há dez meses,mas ela amenisou muito depois q tomei arnica de passar mas não é qualquer uma q pode tomar, no momento parei acho q deveria continuar tomar pelo menos um ano. já usava antibióticos antes para o tratamento do crohn e com o tratamento do H Pylore piorou o chiado e tive q suspender e só voltei a tratar o h pylori quando estava sem nenhum tratamento,descobri também q não podia ter parado o tratamento do crohn.Chiava também quando eu não me dava bem com algum remédio antibiótico, ou se tratasse muitos problemas ao mesmo tempo.Vou fazer ainda tomografia.

Anónimo disse...

Foi boa a explicação o difícil é saber o q nos causa esse chiado q não sabemos dizer se vem do ouvido ou da cabeça!Sofremos muito!Nos maltrata!Depois que bati a cabeça no galho da árvore daqui de casa,o galho cedeu lentamente e custei perceber,já sabia mas um dia voltei rapidamente para pegar algo q esqueci,desci do carro rápido e bati com muita força a minha cabeça contra o galho,no momento não passei mal,senti dor,mas depois de uns 15 minutos senti náusea e não podia abaixar a cabeça e dês de então fiquei com chiado forte!Dor de cabeça por muito tempo e tomava ibuprofeno por conta.E até agora estou assim há dez meses,mas ela amenisou muito depois q tomei arnica de passar mas não é qualquer uma q pode tomar, no momento parei acho q deveria continuar tomar pelo menos um ano. já usava antibióticos antes para o tratamento do crohn e com o tratamento do H Pylore piorou o chiado e tive q suspender e só voltei a tratar o h pylori quando estava sem nenhum tratamento,descobri também q não podia ter parado o tratamento do crohn.Chiava também quando eu não me dava bem com algum remédio antibiótico, ou se tratasse muitos problemas ao mesmo tempo.Vou fazer ainda tomografia.