Bem Vindos !

Quando era criança, na minha aldeia, ouvia com frequência a expressão dos mais simples objectivos das pessoas «haja pão e coza o forno». Realmente, havendo «saúde e alimentação», tudo acaba por ser resolvido. Decidi, por isso, guardar neste espaço, tudo o que estiver guardado nos blogs a que tenho acesso e o que venha a obter sobre este tema, com a convicção de que a saúde depende muito da alimentação e do estado de espírito. (A.João Soares)

domingo, 25 de fevereiro de 2018

PARA EMAGRECER NÃO FAÇA ISTO

Se quer emagrecer, não faça isto
(Da revista Prevenir, de Fevereiro de 2018)

Quanto mais jovem uma mulher começar a fazer dieta, maior a probabilidade de vir a sofrer de distúrbios alimentares e obesidade na idade adulta, de acordo com um estudo da Universidade da Flórida. Kristin Kirkpatrick, nutricionista na Cleveland Clinic, Estados Unidos da América, diz que a «culpa» é da forma como as adolescentes e jovens adultas encaram a alimentação e a própria dieta: «Para muitas [delas], a sua relação com a comida tem mais a ver com a preocupação com a silhueta do que em obter os bons hábitos para manter um peso saudável» afirma a especialista, indicando as medidas «extremas» que podem comprometer o seu peso e saúde no futuro.

Se quer perder peso, adopte estratégias alimentares que consiga manter para sempre.

Convém evitar:

1.Saltar refeições

O metabolismo fica mais lento, o que dificulta o gasto calórico e, quando volta a comer «normalmente», ganha ainda mais peso. Este hábito pode também conduz ir a défices vitamínicos e minerais, como de cálcio, vitamina B12 e ferro, que em idades mais jovens, pode ter impacto no crescimento e, na idade adulta, na saúde em geral.

2.Fazer dietas ioió

Além de abrandarem o metabolismo, as dietas rápidas diminuem os níveis de energia e o metabolismo pode não voltar ao seu estado anterior. Quando repetidas, estas dietas aumentam o risco de problemas cardíacos graves (como enfarte de miocárdio), mesmo em pessoas sem doenças cardiovasculares prévias, de acordo com um estudo recentemente publicado no The New England Joufrnal of Medecine.

Sem comentários: