Bem Vindos !

Quando era criança, na minha aldeia, ouvia com frequência a expressão dos mais simples objectivos das pessoas «haja pão e coza o forno». Realmente, havendo «saúde e alimentação», tudo acaba por ser resolvido. Decidi, por isso, guardar neste espaço, tudo o que estiver guardado nos blogs a que tenho acesso e o que venha a obter sobre este tema, com a convicção de que a saúde depende muito da alimentação e do estado de espírito. (A.João Soares)

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

CASOS DA VIDA REAL


Em relação ao doente, o médico tem dois objectivos. Evitar que o doente morra para não ficar sem o cliente; Evitar que o cliente se cure totalmente, para ele não deixar de aparecer nas consultas com regularidade. Um médico meu amigo e com mais um ano de idade, sendo uma excelente pessoa, nunca deve ter encarado aqueles objectivos.

Por isso, na qualidade de doente, pode não ter tomado a decisão mais correcta. O seu cardiologista vinha insistindo com ele para fazer uma operação cardíaca por sofrer de uma insuficiência numa das válvulas. Observava com atenção todos os relatórios de exames e análises e foi adiando. Por fim, decidiu-se à operação, certamente com receio de ter uma morte repentina, imprevista, embora sem ser precedida de sofrimento.

A operação cirúrgica decorreu bem. Mas, logo nos primeiros exames, foi detectado um AVC ocorrido durante a operação que lhe afectou os movimentos do lado esquerdo e a fala. Poderá recuperar a sua independência e oxalá que o consiga na totalidade, mas dizem ser pouco provável que o resultado vá aos 100%.

Este é um problema em que os idosos devem ponderar: A morte é inevitável e, em casos como este, desejar evitar uma morte rápida e indolor pode ocasionar o prolongamento da vida em situação de sofrimento, de dependência de outros, de dificuldades de contacto e de movimentos, sem verdadeira qualidade de vida. Coloca-se o problema a decidir. Valerá a pena, acima de uma certa idade, correr o risco da lotaria de uma operação cirúrgica, mesmo que ela, por si, possa ter previsão optimista de sucesso total? Claro que depende do tipo de operação, daquilo que possa ocorrer se for realizada ou se não for.


A João Soares
Imagem de arquivCASIS DA VIDAREAL

2 comentários:

Celle disse...

Muito interessant o assunto e um importante alerta.Refletir antes de decidir, levando em conta os riscos e os benefícios, de comum acordo, a familia e o médico.
bjs

A. João Soares disse...

Não é fácil tomar tal decisão. mas existem muitas situações em que vale mais nada fazer do que arriscar uma situação muito pior. Em doenças cardíacas em que a ausência de operação mantém o perigo de morte súbita, indolor, em que se mantém a qualidade de vida independente até ao fim, parece preferível do que prolongar a vida em condições que virão a ser normalmente de senilidade nada feliz e com dependência e sofrimento. Mas há outras situações em que, sem operação, pode haver tromboses com inconvenientes vários. Então a escolha deve ser de fazer a intervenção indispensável. Enfim, cada caso é seu caso, e não podemos decidir às cegas, mas com ponderação e, como bem diz, a opinião de familiares e amigos em que se encontra o médico.
Bjs